Amor à Vida

Amílcar Del Chiaro Filho

Há uma beleza infinita na vida que as vezes demoramos a perceber, algo que nos prende ao ato de viver, facilitando a vigência do instinto de conservação.

Não raro, só percebemos isso ao ter a nossa vida ameaçada, ou sofrer a desencarnação de algum ente querido, quando então apegamo-nos ao viver, ou à esperança, do reencontro, mesmo que ela seja tão fina como o fio de uma teia de aranha.

Ao passarmos pela experiência da proximidade da morte valorizamos o conhecimento da Doutrina Espírita, que de forma clara nos mostra a imortalidade racional, objetiva, porém carregada de emoções.

Poderia a morte romper a delicada tecitura do amor que compõe a vida? De forma alguma! Existe algo entre o céu e a Terra que pode romper os liames do amor ou esgarçá-los? — Também não —. Por que então existe a morte?

Talvez a maioria das religiões e filosofias não possam responder esta pergunta, mas o Espiritismo pode e responde com muita clareza: a morte existe para a renovação da vida. O que morre é a forma física, o revestimento material, porque o ser espiritual é imortal. A forma material morre para renovar a vida, para que a essência espiritual continue a evoluir, crescer, aperfeiçoar-se através das vidas sucessivas.

Neste mundo relativamente atrasado, ainda muito sensorial, a ausência física do ser amado causa muita dor, pois, não podendo senti-lo, vê-lo, tocá-lo, desesperamo-nos, e o coração fica angustiado pela ausência. Queremos ver a figura amada, ouvir a sua voz, e as lembranças como fotos e filmes, ou mesmo objetos, aumentam a tristeza, e há os que se desesperam. É neste ponto que o Espiritismo enche o nosso coração de consolações e esperanças.

Insistimos na primeira indagação: Poderia a morte romper a tecitura do amor? Afirmamos novamente que não. Mesmo que a vida não fosse imortal o amor sobreviveria. No entanto a vida é permanente e ela só pode ser definida pela palavra amor.

Se existe uma diferença vibratória entre o mundo que vivemos e o dos espíritos, ligando-os, há uma ponte construída com um material que se chama amor. É através desta ponte que os espíritos que se amam transitam, e pela mediunidade se comunicam, quer ostensiva e objetivamente, quer de modo sutil, pelo pensamento ou pelos sonhos.

Ver um berço vazio onde até há pouco tempo havia uma presença querida, é uma experiência muito dolorosa para uma mãe, como também é doloroso entregar de volta as jóias que Deus confiou aos nossos cuidados, mas é confortador saber que a separação não é definitiva, e sim transitória. Por isso insistimos que o Espiritismo é um cântico de amor à Vida.

Talvez o ouvinte possa julgar que estamos divagando. Quem ainda não entregou alguém amado ao mundo espiritual, não pôde sentir ainda a força total desta experiência. Se ela é altamente dolorosa, é ao mesmo tempo rica, permitindo-nos acompanhar pelo coração a entrada do ser amado nesse mundo que não é misterioso, nem escuro, pois o Espiritismo que poetisa a vida, também ilumina a morte.

É muito significativo que há dois mil anos, quando retiraram a pedra que fechava um certo túmulo de um moço carpinteiro, que usava cabelos longos de Nazareno, e que foi crucificado por causa da sua doutrina de amor, igualdade, perdão e bondade, encontraram-no vazio.