Peças Infantis

Grupo Sintonia

O bode que queria ser cantor

GALO – cocorocó!!! Bom dia, pessoal!! Já é hora de acordar! Animo galera!! Cocorocó!!!

(todos se aproximam do galo)

GALINHA - co,có Sr. porco porque o senhor está tão pretinho?

PORCO – é que eu já tomei meu maravilhoso banho de lama.

CACHORRO – al, au! Engraçado, vocês estão acordando e agora é que eu vou dormir. Au au.

GALO – por quê seu cachorro?

CACHORRO – porque depois de tanto tempo vadiando nas ruas, eu finalmente consegui um emprego: agora sou vigia noturno! Enquanto vocês dormem, eu fico de guarda. Qualquer coisa, é só latir! Au, au.

TODOS – parabéns seu cachorro!

GALINHA – co,có. Eu também queria muito trabalhar, ser alguém na vida. Co,có.

VACA - é necessário dona galinha? E o que a senhora gostaria de ser?

GALINHA – eu quero ser uma cozinheira ! farei ovos fritos e cozidos, para todos os gostos. Co,có.

PORCO – pois eu quero mesmo é acabar com essa vida de porco que eu levo.

GALINHA – é como é que o senhor vai conseguir isso, seu porco?

PORCO – é muito fácil! Serei um faxineiro. Só assim eu vou poder acabar com tanta porcaria.

GATO –pois eu vou mesmo é ser modelo. Vocês não acham que eu sou uma gata?

TODOS –xiii!!

GATO – vejam só quem esta chegando: o nosso amigo bode!

VACA – bom dia, seu bode! O senhor, como sempre, atrasado vai querer leite mugido?

BODE – desculpa o atraso dona vaca. É eu fui dormi tarde e não ouvir o nosso galo cantar.

CACHORRO – nós estávamos conversando sobre o que nós gostaríamos de ser, seu bode!

GATO – isso mesmo. Todos aqui concordaram que eu séria uma ótima modelo.

GALINHA – e o senhor, seu bode, quer ser o que?

BODE – ah, eu tenho vergonha de falar...

TODOS –fala, seu bode!

BODE – ta bom. Eu queria ser um grande cantor!

(Todos começam a rir)

BODE – O que foi ? Eu disse algo errado?

PORCO – Com essa voz ? Aposto que quando o senhor começar a cantar, nem mesmo a Dona Cabra vai ficar para ouvir!

(Todos riem)

BODE – Pois eu vou mostrar a vocês que eu tenho voz!

GALO – Mostra ai seu bode !

BODE – Se você quer evoluir

Então comece a refletir

Você vai ter que decidir entre perder e agredir...

TODOS – Que horror!!!

VACA – É, seu bode. Desse jeito, o senhor nunca vai conseguir ser cantor.

GALINHA – Cantor mesmo é o S. Curió. Esse sim, parece que já nasceu cantando.

CACHORRO – Uma vaia para o S. Bode!

(TODOS – vaiam e saem de cena deixando o seu Bode sozinho)

BODE – Todos me humilharam, bééé só porque eu não sei cantar que nem o S. Curió, bééé. Eu nunca vou ser um grande cantor.

(O S. Curió entra em cena cantando)

BODE – bééé,béé´...

CURIÓ – O que houve S. Bode ? Porque o senhor está chorando ?

BODE – É que eu queria saber cantar que nem o senhor, S. Curió!!!!

CURIÓ – Mas isso é muito fácil! Basta o senhor estudar muito seu bode.

BODE – Você acha mesmo ?

CURIÓ – Acho não, tenho certeza. Se o senhor quiser eu mesmo posso te ensinar.

BODE – O senhor faria isso por mim?

CURIÓ – Com todo prazer, S. Bode o senhor vai ver que com estudo e dedicação nós conseguimos ser tudo que queremos. É só não desistir.

(Eles saem e entra o galo)

GALO – Galo chamando todos para uma grande notícia!

(Todos chegam, exceto o Bode e o Curió)

GATA – Miauuuu! Que notícia tão urgente é essa S.Galo?

TODOS – É mesmo, que notícia ?

GALO – Vocês não sabem da última. O Bode vai fazer um show!

GALINHA – quer dizer que ele levou a sério esta história de ser canto ?

CACHORRO - Aposto que isso é coisa do S. Curió. Eu vi várias vezes os dois ensaiando algumas músicas à noite, escondidos de todos.

PORCO – Eu não vou já sei que isso vai ser o maior fracasso mesmo!

VACA – Pois eu vou S. Porco: Não vou esta fazendo nada, mesmo. Além do mais, quem sabe a gente não se surpreende ?

GATA – Miauuuu! Surpresa eu não sei não. Mais que vai ser engraçado vai.

PORCO – Vocês me convenceram. Podem ensaiar as vaias que hoje à noite vai ter Bode berrando pra todo lado!

(Todos saem rindo)

(No Show)

GALINHA – E aí S. Bode ? Preparado ?

CACHORRO – Vamos lá S. Bode ta na hora!

TODOS – Começa! Começa! Começa!

BODE – Estou com medo Curió!

CURIÓ – Confie em mim, S. Bode!

E agora com vocês a grande revelação do mundo animal! Cantando com vocês o senhor Bode!

GALO – É agora!

BODE – O Bode canta. Todos dançam.

VACA – Senhor bode, eu não sabia que o senhor tinha uma voz tão bonita.

PORCA – Eu não disse que seria um sucesso! E ninguém queria vir. Se não fosse eu pra convencer vocês!

GATA – Miauuuu! Mas como foi que o senhor conseguiu cantar tão bem ?

BODE – É que eu aprendi com um grande amigo meu que somente com estudo e muito esforço a gente consegue tudo o que quer.

CURIÓ – Isso mesmo, S. Bode. Ninguém consegue nada sem ter esperança. Mais importante que sonhar é acreditar em nossos sonhos. Só assim, eles se tornam realidade.

(Todos aplaudem e cantam a música Evoluir)


CALA A BOCA, TÁ NA BOCA !

OBJETIVO DA PEÇA: Esta peça foi baseada em uma música do Grupo Sábado de Sol (São Paulo). A peça tem por objetivo ensinar às crianças que não se deve falar mal de ninguém.

IMUNDINHA – Oba! Hoje é dia de evangelização! Só falta a turma chegar. Quem será que vem primeiro ?

TÁ NA BOCA – Imundinha! E aí garota!

IMUNDINHA – Tudo bem, Ta na boca ! Você já está pronto para ir à evangelização?

NA BOCA – È claro que sim garota, vamos lá!

IMUNDINHA – Ei, Ta na boca. Agora não. A Imundinha pediu pra eu esperar ela.

NA BOCA – E tu vai esperar mesmo?

IMUNDINHA - É claro que sim, ela pediu!

TÁ NA BOCA – Não!

IMUNDINHA – Não porquê, Ta na boca ?

NA BOCA – Porque daqui que ela limpe a orelha, a cabeça, o corpo, os pés. Ela só vai chegar aqui no natal do próximo ano ! Devagar daquele jeito ! Não !

IMUNDINHA – Ô, Tá na boca ! Deixa de falar dos outros, eu heim!

LIMPINHA – Bom dia, gente!

IMUNDINHA – Bom dia, Limpinha! Pronta pra ir à evangelização ?

LIMPINHA – É claro ! Mas falta ainda a festeira e o geninho.

IMUNDINHA – Eu vou chamar !

TÁ NA BOCA – Hi, hi, hi, hi hi !

LIMPINHA – Xi ! De que é que tu ta rindo, Ta na boca ? Aposto que ta aprontando alguma !

TÁ NA BOCA – Só tava lembrando do tanto que a Imundinha era suja! Hi, hi, hi, hi !

LIMPINHA – Ih, tá na boca, que coisa mais feia ! Falar mal dos outros é a coisa mais horrível do mundo! Você devia é ter sabe o quê ? VER – GO – NHA !

FESTEIRA – Cheguei gente ! Vamos lá !

LIMPINHA – e o Geninho ? Cadê ele, gente?

FESTEIRA – Disse que espera a gente lá. Vamos logo!

TODOS – Vamos!

(Na evangelização)

FESTEIRA – Ta na boca, eu não agüento mais você falando mal dos outros ! Nunca vi mania mais feia !

GENINHO – Oi, turma! Até que enfim vocês chegaram!

TÁ NA BOCA – Até que enfim mesmo, Geninho ! Quase que a gente não chega. Sabe como é a festeira: devagar, quase parando !

TODOS – ôôôôô

(Ta na boca sai de cena)

FESTEIRA – Geninho, você tem que dar um jeito no Ta na boca ! Ele só vive falando mal dos outros !

GENINHO – É, eu já notei isso. Outro dia mesmo ele estava falando mal da Imundinha pra mim.

IMUNDINHA – De mim ? Mas ele estava falando de você pra mim.

LIMPINHA – E ele falou de vocês pra mim também!

TODOS – E pra mim! E pra mim!

GENINHO – Chega ! Eu achei a solução !

IMUNDINHA – Mas qual, Geninho ? Falar mal dele também ?

FESTEIRA – Não, que isso também é feio ! Nós vamos é amarrar aquela boca suja!

LIMPINHA – Suja mesmo ! E boca suja é pra lavar com sabão!

GENINHO – Eu tenho uma solução melhor! Só precisa de alguns amigos pra ajudar. Ouçam.

(Eles cochicham. Depois o ta na boca volta à cena)

TÁ NA BOCA – Geninho, meu amigão ! tenho uma da Imundinha pra te contar que você não vai acreditar !

GENINHO - Ta na boca, se um dia você resolver olhar dentro de você mesmo, vai ver o monte de sujeira que tem aí. Quer ver uma coisa ? Vamos lá, pessoal!

Um dia resolvi olhar dentro de mim

E fiquei assustado com o que vi

Vi tanta poluição fedia a poluição fedia a podridão

E vi que estava sempre a me iludir

TÁ NA BOCA – Mas, Geninho! Tu tem que saber a última da Imundinha !

GENINHO – Ei, pêra aí Ta na boca ! Não pode falar mal dos outros, não!

TÁ NA BOCA – Não pode, por quê ?

Falar mal dos outros é tão fácil

Quando você não os conhece bem

Comece sua faxina interna

Você não é melhor do que ninguém

Um dia resolvi olhar dentro de mim

E fiquei assustado com o que vi

TÁ NA BOCA – Mas, Geninho! Eu só ia fazer um comentário!

GENINHO – Não, Ta na boca, nem comentário ! Você não aprendeu nada?

TÁ NA BOCA – Por que ?

O mal nunca merece comentário

Não fale mal do seu adversário

Nem fale mal de quem só fala mal

Fale o bem e seja alto astral

Um dia resolvi olhar dentro de mim

E fiquei assustado com o que vi

TÁ NA BOCA – Mas eu não posso falar mal dos outros, nem posso fazer um comentário. O que é que eu posso fazer com a minha boquinha ?

GENINHO – Vamos mostrar pra ele, gente !

Use sua boca pra beijar (smac,smac,smac)

Use sua boca pra cantar (lalaiá) BIS

Feche sua boca para ouvir (hein ?)

E deixe sempre o coração falar (tum,tum,tum)

TÁ NA BOCA – Pôxa, gente. Desculpa. Eu não devia ter feito isso. Eu prometo que nunca mais vou falar mal de ninguém!

GENINHO – Muito bem, Ta na boca. O seu exemplo vai servir de lição pra muita gente!

LIMPINHA – É, e ninguém pode falar mal dos outros não, viu?

IMUNDINHA – É, gente. Nós temos é que aprender com os defeitos das pessoas e com isso, ajuda-las também!

FESTEIRA – É isso aí! Ao invés de falar dos defeitos, a gente tem é que falar das qualidades!

TODOS – É isso aí, tchau pessoal!


O MELHOR DO NATAL

RESUMO PERSONALÍSTICO

A peça O MELHOR DO NATAL possui os seguintes personagens:

GENINHO – É o personagem mais inteligente da turma. O Geninho adora estudar e tem sempre uma conduta exemplar. É ele o responsável pelos ensinamentos morais. O Geninho é o único que entende o verdadeiro sentido do Natal.

TÁ NA BOCA – É o personagem méis comilão. O Ta na boca só pensa em comer. É também um personagem bastante brincalhão e adora dizer brincadeiras que divirtam a turma. Para ele o melhor do natal é a comida.

LIMPINHA – É uma personagem muito preocupada com a limpeza. A Limpinha tem sua roupa sempre branca e é um exemplo quando o assunto é limpeza. No entanto, para ela o que é mais importante no natal é a festa.

IMUNDINHA – É irmã da Limpinha. Antigamente, a Imundinha não gostava de banhar, porém ela já se regenerou com a ajuda de sua turma. Para ela, a melhor coisa do natal é o presente.

FESTEIRA – A Festeira é um personagem que só vai à evangelização em dia de festa. Para ela, festa,bolo e presente são fundamentais no Natal.

A peça O MELHOR DO NATAL tem o seguinte enredo:

Um grupo de amigos, formado pelos personagens acima citados, se reúnem para ir à evangelização infantil no dia de Natal. Lá eles questionam o fato da Festeira só ir à evangelização nos dias de festa. Depois cada um deles discute o que é mais importante no Natal, de acordo com as opiniões citadas acima. Cabe ao Geninho ensinar a eles a verdadeira importância do natal e mudar a opinião deles a respeito dessa data.

Essa peça tem por objetivo ensinar às crianças a importância do natal. Os nomes dos personagens representam as suas principais características: Geninho tem esse nome porque é uma espécie de gênio para a turma; Ta na boca tem esse nome porque só pensa em comer e tudo para ele está na boca para ser mastigado; Limpinha tem esse nome porque só anda limpa; Imundinha tem esse nome porque só andava suja, imunda; Festeira tem esse nome porque só vai à evangelização nos dias de festa. Tais nomes foram escolhidos devido à facilidade das crianças decora – los e por ilustrarem as características dos personagens,facilitando a elas entender o sentido da peça através da compreensão dos personagens.

O MELHOR DO NATAL

LIMPINHA – É Natal! É Natal! Vou comemorar

Tá na hora de ir pra festa

Que vai começar!

IMUNDINHA – É Natal! É Natal! E o que eu vou ganhar?

Meu presente quero agora

Para mim brincar!

NA BOCA – É Natal! É Natal! Vou comer demais

Lá tem bolo, tem petisco,

Suco e muito mais.

GENINHO – É Natal! É Natal! Sino de Belém

Já nasceu Deus menino

Para o nosso bem!

FESTEIRA – É Natal! É Natal! Por isso que eu vim

Festa, bolo e presente

Tudo é bom pra mim!

TODOS - Festeira! Você voltou!

FESTEIRA – Voltei turma, afinal é dia de festa na evangelização e vocês sabem que festa é comigo mesmo Imundinha, cadê tua sujeira?

IMUNDINHA – Ah, Festeira. Agora eu só ando limpa, mas isso é outra história...

NA BOCA – Imundinha, tu gostou da minha roupa de árvore de Natal?

IMUNDINHA – Eu gostei Tá na boca. TÁNABOCA – Imundinha, pra que esse saco?

IMUNDINHA – É para mim guardar meus presentinhos.

GENINHO – Festeira, por que você só aparece aqui no Natal e no dia das crianças?

FESTEIRA – Ah, Geninho! Que pergunta mais boba. Eu só venho aqui nesses dias porque tem festa, tem as comidas mais gostosas e a tia ainda dá presente!

GENINHO – Ih, Festeira. Você devia ter vergonha. A gente não pode ir pra evangelização só no dia que tem festa. Também não pode ir só por causa do lanche ou do presente. Legas mesmo é ir pra evangelização pra estudar.

TODOS – É sim, é verdade!

LIMPINHA – E então? A gente já pode ir pra evangelização?

IMUNDINHA – É mesmo gente, vamos lá!

NA BOCA – Vamos lá galera!

LIMPINHA – Oba, tem festa na evangelização?

NA BOCA – Imundinha, tu sabe o que eu mais gosto na evangelização?

IMUNDINHA – Não, Tá na boca.

TÁ NA BOCA – Eu gosto é de comer. Nesse dia eles sempre servem um lanche bem gostoso na evangelização. Merenda no Natal pra mim é assim: tá na boca!

LIMPINHA – Xi, esse aí só pensa em comer.Pois o que eu adoro mesmo no Natal é a festa que tem na evangelização. É tão bom! A gente se reúne, a tia faz brincadeira, a gente canta, bate palma. Festa de natal é bom demais!

IMUNDINHA – Ih! Já vi que vocês não sabem o que é bom. A melhor coisa do Natal é ir pra evangelização ganhar presente! Ano passado eu ganhei um presente lindo que a tia me deu. Presente no Natal é a melhor coisa do mundo!

LIMPINHA – E você, Festeira? O que é que você mais gosta no Natal?

FESTEIRA – Eu gosto de tudo!

TODOS – De tudo!

FESTEIRA – É! Eu gosto da festa que nem a Limpinha, gosto do presente que nem a Imundinha e gosto da comida que nem o Tá na boca.

NA BOCA – Entendi. E tu geninho, num vai dizer o que tu mais gosta no Natal não?

IMUNDINHA – É Geninho, todo mundo já falou. Só falta você.

GENINHO – Eu estou envergonhado!

TODOS – Envergonhado?

GENINHO – É, vocês só pensam na festa, no presente, na comida! Será que ninguém aqui sabe o que é Natal?

FESTEIRA – Eu sei! Natal é dia de festa na evangelização.

GENINHO – Não,não e não. Natal é dia de aniversário!

LIMPINHA – Aniversário! De quem?

GENINHO – De Jesus Cristo.

IMUNDINHA – É mesmo, Geninho?

GENINHO – É sim. Dia 25 dezembro é o dia que Jesus nasceu. Por isso é natal. É o dia em que si comemora o aniversário de Jesus.

IMUNDINHA – Quer dizer que no Natal, antes de pensar na festa, a gente deve pensar no nascimento de Jesus?

LIMPINHA – É isso aí! Natal não é só festa i nem presente! Natal é dia de agradecer a Deus pelo nascimento de Jesus e pedir paz e alegria pra todo mundo!

TÁ NA BOCA – É isso aí galera! Ao invés de ganhar presente, a gente tem mesmo é que dar carinho!

FESTEIRA – E pra provar que eu aprendi o que é Natal, eu vou passar a vir todo domingo para a evangelização, ao invés de vir só no dia de festa.

TODOS – Oba! Feliz Natal pessoal!


A CODIFICAÇÃO ESPÍRITA NÃO É UM BICHO DE 5 CABEÇAS.

Cena 1:

(Seu Parente está sentado no centro do palco lendo uma das obras básicas)

Seu Parente: Olá, como vão vocês? (dá uma pequena pausa para refletir) Parece incrível, eu aqui sentado lendo uma obra de Allan kardec logo eu que não é ? Ainda bem que, no meu caso, eu mudei pra vocês verem como as pessoas mudam não ê? Ainda bem que, no meu caso, eu mudei pra melhor. Desde que me tornei espírita, mudei toda a minha personalidade mas. Aprendi coisas que transformaram a minha personalidade. Mas, isso não aconteceu da noite pro dia. Primeiro eu precisei conhecer e aceitar o espiritismo. Querem ver como isso aconteceu?

(A platéia diz como ela acha que o Seu Parente se tornou espírita)

Cena 2:

(Seu Parente e Deodoro estão na sala de estar vendo TV)

Seu Parente: (gritando) Amélia! Amélia!

Amélia: Diga meu marido.

Seu Parente:Tava me ouvindo chamar, não?

Amélia: É que eu estava lá no quintal lavando roupa, Parente.

Seu Parente: Tu tem que lavar é essas orelhas, mulher. Cadê minha água? Por quê não trouxe?

Amélia: Mas, Parente. Você nem me pediu água.

Seu Parente: Ave Maria, Amélia. Tu está é com problema de DNA: Data de Nascimento Antiga. Tá ficando velha, surda e ainda por cima esquecida. Tu sabe que quando eu venho assistir TV, tenho que beber água.

Amélia: Pois não se zangue não que eu vou buscar e já volto.

Seu Parente: Ligeiro!

Deodoro: Pai. Tem uma coisa que eu preciso lhe contar.

Seu Parente: Se for problema é melhor nem dizer que eu hoje to com a macaca. E cadê tua mãe que não me traz essa água?

Deodoro: Pai. Eu não sei se o senhor vai concordar mas eu tomei uma decisão muito importante na minha vida.

(Amélia chega com a água)

Seu Parente: Foi buscar essa água onde? No Pólo Norte pra vir geladinha? Nunca vi uma criatura demorar tanto pra trazer uma água.

Amélia: Desculpe meu marido.

(Amélia senta)

Seu Parente: Vai assistir TV, também? Desde quando tu vê alguma coisa diferente de novela? Tá ficando ousada. To dizendo mesmo.

Deodoro: Deixa a mamãe ficar, pai. Assim eu conto logo pra todo mundo.

Amélia: Contar o quê, Meu filho.

Deodoro: Uma coisa que aconteceu comigo. (pausa) Pai, mãe. Eu não correspondi ao destino que vocês traçaram pra mim. Chega um momento em que você tem que assumir o que você realmente é. Não dá pra ficar mentindo o tempo todo.

Seu Parente: Não decepcione seu pai!

Deodoro: Não foi culpa minha, pai. Eu tentei fugir, mas eu preciso encarar a realidade e buscar o que me faz mais feliz. Por isso, eu vou contar agora pra vocês o que eu realmente sou.

(Pára tudo no palco. Régis e Ribamar perguntam à platéia se ele deve ou não fazer a revelação)

(entram em cena Agripina e Woodstock)

Agripina: Pai, mãe. Trouxe uma surpresa.

Seu Parente: Espero que eu não precise abrir a boca e fechar os olhos.

Agripina: Deixa de ser chato e sorria: Este é meu namorado Woodstock. Woodstock, este é Parente, o meu pai, esta é minha mãe Amélia e este é meu irmão Deodoro.

Seu Parente: Agripina, minha filha, onde você achou este.. este... este animal? Num filme do Spielgberg?

Agripina: Ai, pai. Assim o senhor acaba com a minha vibração positiva. Já falei pra não me chamar de Agripina. Meu nome agora é Raio de Sol.

Amélia: Mas Pipininha, esse é o seu nome de batismo.

Agripina:Mudei mãe. Agora sou Raio de Sol e sem essa de Pipininha.

Woodstock: E aí, sogrão. Tá vendo TV?

Seu Parente: Não, seu projeto de hippie, está esquiando na Suíça.

Woodstock: Qual é, sogrão. Só queria me interar na família.

Seu Parente: Me recuso a ter você como genro.

Deodoro:Chega!Está na hora da minha revelação: EU SOU ESPÍRITA!

(Todos param)

Deodoro: Me perdoa, pai. Mas é que não dava mais pra guardar isso. Não pense que eu traí vocês, eu só encontrei uma nova maneira de ver as coisas. Diferente daquilo que vocês me passaram todos esses anos.

Agripina: Valeu, meu irmão. Eu sabia que ia encontrar alguém que me entendesse. E ai? Já sabe qual é teu anjo protetor teu signo ascendente? Já acendeu quantos incensos hoje, hein?

Deodoro:Não Agripina, quer dizer,Raio de Sol. Não é nada disso. No espiritismo a gente não acende incenso nem consulta signo, não. Espiritismo é ciência, filosofia e o quê mais pessoal? (pergunta para a platéia) Religião. Não tem nada a ver com o que você está pensando.

(entra em cena Eduvigis)

Eduvigis: Licencinha, Amélia. É que eu tava dormindo, mas, cê sabe como é vizinho, mora perto, coisa e tal, e não pude deixar de ouvir a confusão de vocês. Por isso vim aqui pra saber se vocês precisam de alguma coisa.

Amélia: Não se preocupe, dona Eduvigis. É que meu filho está dizendo que é espírita e minha filha trouxe o namorado pra casa.

Seu Parente: Na verdade, dona Eduvigis. Esse não é o namorado da minha filha. É um verme qualquer!

Eduvigis: Calma Seu Parente! Afinal de contas, o moço agora também vai passar a ser seu parente.

Seu Parente: Meu parente, não. Parente dos outros.

Amélia: Eu acho que todo mundo tem é que se acalmar e procurar conversar de uma maneira civilizada. Quem sabe assim a gente não se entende, não é?

Eduvigis: Eu acho mesmo é que todo mundo aqui deve escolher se o Deodoro deve ou não ser espírita e se a Agripina deve ou não namorar esse sujeito.

(Régis e Ribamar perguntam à platéia qual a decisão correta a ser tomada)

Seu Parente: Que conversa é essa de ouvir platéia? Quem disse que eu me importo com a opinião de ninguém. Você, Deodoro, fique sabendo que eu não vou tolerar essa história de espiritismo dentro da minha casa.

Deodoro: Mas, pai. Eu tenho o direito de escolher o caminho que eu quero seguir.

Seu Parente: Vai contrariar seu pai?

Deodoro: Não quero contrariar você. Só quero que você compreenda e aceite a minha decisão. Até porque de nada adiantaria eu seguir uma religião que você escolheu pra mim, quando eu nem sequer acredito nela.

Seu Parente: Não quero ouvir seus argumentos. Você vai fazer o que eu mandei. Caso contrário, a nossa convivência vai se tornar impossível.

(Régis e Ribamar perguntam à platéia se Deodoro deve ou não obedecer ao Seu Parente)

Eduvigis: Gente, que barraco. Eu quero é que o mar pegue fogo pra gente comer peixe frito.

Woodstock: E aí, sogrão? Todo mundo já deu pitaco sobre o caso do teu filho. Agora eu quero saber se eu posso ou não entrar pra família.

Seu Parente: E ainda exige uma resposta? Amélia vai buscar uma vassoura pra eu jogar esse entulho fora de casa.

Agripina: chega pai eu não agüento mais você falando assim do meu namorado.

Amélia: Parente, tenha paciência. Deixe seus filhos se guiarem sozinhos.

Seu Parente: (olhando para a platéia) Vocês ouviram isso? Ao invés de me ajudar, ela ainda toma partido desses inconseqüentes. Mas eu não podia esperar mais nada, afinal de contas, a Amélia nunca faz o que lhe peço. E é porque eu sou um marido exemplar.

Edvirgis: Vocês querem saber o que eu acho?

Todos: Não.

Edvirgis: Pois eu digo assim mesmo. Eu acho que vocês não devem decidir isso agora.

Woodstock: Porque?

Eduvigis:Porque assim eu tenho tempo de ir espalhar a fofoca pra todo mundo.

Agripina: E eu ainda tenho que ouvir isso.

Amélia: Pois eu sei o que nós vamos fazer. Nós vamos conhecer melhor esse espiritismo e também esse Woodstock. Até porque nos só podemos dizer se algo é bom ou ruim depois que nós conhecemos profundamente.

Deodoro: Obrigada mamãe. E eu já sei o que fazer.Nos iremos para o Centro Espírita onde poderemos conhecer a codificação espírita e entender que importância ela tem para o nosso dia-a-dia. Além de ser uma ótima oportunidade para nós conhecermos melhor e também fazermos novos amigos.

Todos: Boa idéia.

Seu Parente: Então está certo. Todos irão obedecer a minha decisão e irão comigo para esse tal Centro Espírita, Até porque uma idéia minha sempre tem que ser respeitada.

(fim da abertura)

Encerramento

Deodoro: Bem, eu espero que todos tenham gostado muito do Centro Espírita. Todos os trabalhadores se esforçaram bastante para que esse encontro fosse realizado com bastante sucesso. Antes de perguntar a opinião da minha família e da nossa vizinha Eduvirgis, eu gostaria de saber da platéia qual a contribuição do Centro Espírita para as suas vidas?

( Regis e Ribamar perguntam)

Eduvirgis: Eu também quero falar. O que eu aprendi de mais importante foi que nós não devemos julgar os outros sem antes corrigir nossos próprios defeitos. Eu sempre fiz muito isso. Não vou dizer que não irei mais fazer mas pelo menos quando eu fizer vou saber que estou errada e vou procura, de alguma forma mudar esse meu jeito de ser........

Agripina: Eu a´prendi que espiritismo não é nada do que eu pensava.Aprendi que para estar em uma boa sintonia, não é preciso acender incenso ou usar colares e roupas diferentes. Basta fazer o bem.

Woodstock: E eu vi que o maior revolucionário da historia foi Jesus, que não precisava falar gírias nem tinha pretensão de destacar dos demais. Era um homem bom, justo e humilde. Oposto do que eu pensava que um revolucionário seria.Por isso sua mensagem atinge a todos.

Amélia: Vejo que todos aqui mudaram muito com esses conhecimentos. O espiritismo trouxe novas concepções e esclarecimentos que nos ajudaram a melhorar e evoluir.Eu aprendi que a paciência é uma virtude, mas apassividade, não. Hoje eu sei que poderia ter mudado muitas coisas no meu passado, mas nunca é tarde para instalar a paz e a harmonia na nossa família, não é mesmo Parente?

Seu Parente: É sim, Amélia.Eu reconheci que estava errado em muitos aspectos. Aprendi a perceber que não tenho a verdade absoluta e que não posso exigir que todas as pessoas dediquem-se exclusivamente a mim. Estou procurando não ser mais tão arrogante e espero que Agripina e Woodstock encontrem a felicidade junta da mesma forma que toda a nossa família encontre novas perspectivas através dessa doutrina de amor.

Deodoro: E que nossa experiência tenha servido para ilustrar os benefícios que o espiritismo bem compreendido e, sobretudo, bem aplicado pode trazer para nossas vidas. Que, a partir de hoje todos nós possamos deixar a codificação espírita agir em nos. Refletindo sobre nossos principais defeitos e tentando, pelo menos uma vez a cada dia, fazer as coisas da melhor maneira. Que Deus Nos Abençoe Hoje E Sempre.

http://sites.uol.com.br/gruposintonia/pecas.htm