As técnicas do passe

Aluney Elferr Albuquerque Silva

Antes de adentrarmos nas técnicas mais comuns do passe, direcionadas para as mais diversas necessidades, existe um ponto de muita importância que Jacob Melo nos avisa em Seu Livro "Manual do Passista". No momento da aplicação em si, os passistas poderão sentir através de leves roçaduras ou impressões nas pontas dos dedos ou nas palmas das mãos, os fluidos sendo emanado e a experiência nos mostra que realmente acontece, há passistas que sentem no centro da palma da mão uma impressão diferente no momento da aplicação, todavia há ainda outros que sentem a mesma impressão nas pontas dos dedos. Jacob Melo, no Livro supracitado, nos informa que aqueles que sentem estas impressões na ponta dos dedos, poderiam sem chamados de Médiuns Passistas Digitais, e os que sentem esta leve impressão nas palmas das mãos, seriam os Médiuns Passistas Palmares. Gostaríamos ainda, de deixar claro que os médiuns que já militam nessa área e que não sentem estas impressões, de forma alguma devem pensar que não existe intercâmbio de fluidos em seus passes, diríamos que estas sensações também se adquirem por prática e dependem de outros fatores na sensibilidade de cada um.

E as mãos deverão ficar conforme o passista se sinta mais tranqüilo e relaxado para desenvolver a aplicação, continuando assim, com o modo pelo qual o médium praticava tal aplicação.

DIAGNÓSTICO OU TATO - MAGNÉTICO

O primeiro passo realmente, levando em consideração que no momento do passe estamos na condição de verdadeiros intermediários, seria conhecer um pouco mais o irmão que comparece para o passe, tratando de posicionar as mãos ou a mão primeiramente sobre o coronário e depois paulatinamente descer, sem se demorar muito, no intuito de sentir as vibrações do campo vibratório do paciente, as oscilações do seu tônus vibratório, as emanações de seu corpo perispiritual, tendo em vista até mesmo descobrirmos pontos no organismo com vibrações diferenciadas e problemáticas, mentalmente não estamos doando nada, por enquanto somente reconhecendo o paciente, entrando em relação fluídica com o paciente. Esta técnica também se desenvolve através da prática. Facultando os médiuns encontrarem campos em desequilíbrio do paciente, alguns passistas através desta técnica detectam informações valiosas e que muito auxiliam no tratamento fluidoterápico. Utilizando dispersivos para assim, de uma certa maneira podermos “clarear” o campo vibratório do paciente e conseqüentemente localizar com maior facilidade as desarmonias existentes. Façamos uma rápida comparação da utilidade dos dispersivos nesta técnica: se uma pessoa esta com problemas na região gástrica, seu campo vibratório ficará desorganizado. Fazendo uso do tato-magnético neste momento poderemos captar uma desorganização é claro, generalizada e não local ou até mesmo verificar que ele se encontra mais sério na região do abdômen, mas se fizermos um dispersivo agiremos diretamente nos fluidos desordenados, ordenado-os e até mesmo extrairemos os mesmo que envolvem o corpo deixando o foco em desarmonia, mas acessível ao nosso tato. Da mesma forma quando fazemos um curativo, primeiramente assepsiamos e depois cuidamos do foco infeccionado.

EMANAÇÃO DE FLUIDOS

Em "A GÊNESE - CAP. XIV - ITEM 33", Kardec nos demonstra que "a ação magnética pode produzir-se por diversas formas:"

  1. Pelo próprio fluido do magnetizador (Passista) – é o magnetismo propriamente dito, ou magnetismo humano, cuja ação é subordinada à potência e sobretudo à qualidade do fluido.
  2. Pelos fluidos do Espírito (desencarnado). – atuam diretamente e sem intermediários sobre o encarnado, seja para curar ou acalmar um sofrimento, seja para provocar o sono sonambúlico espontâneo, seja para exercer sobre o indivíduo uma influência física ou moral qualquer. É o magnetismo espiritual, cuja a qualidade está na raiz das qualidades do espírito.
  3. Pelos fluidos do Espírito (desencarnado) combinando com os fluidos do magnetizador (Passista). – fluidos derramados sobre o magnetizador e ao qual ele serve de condutor. É o magnetismo misto, semi-espiritual ou, se assim melhor nos expressamos, humano-espiritual. Vemos neste, o fluido espiritual, combinado com o fluido humano, dando à este último as qualidades que lhe faltam. O auxílio dos espíritos, em tais circunstâncias, é por vezes espontâneo, porém com mais freqüência é provocado pelo apelo do magnetizador.

Conforme já verificamos, o pensamento e a vontade exercem ação preponderante sobre os fluidos.

Verificamos também, que a ação dos Espíritos é que realmente dá eficácia curadora, no magnetismo, aos fluidos humanos.

Dessa forma é importante a conscientização, em nossas Casas Espíritas, dos médiuns passistas e mesmo daqueles caracterizados como curadores, de que são os Espíritos que provocam as curas, servindo o médium como intermediário, pois são eles, os Espíritos quem aumentam, dirigem e qualificam nossos fluidos.

Pesquisando Kardec, vamos encontrar na Revista Espírita - Ano Vii - Jan. 1864 - Pag. 7, importante estudo, que nos elucida no assunto, quando nos diz:

..."Em geral o que magnetiza (Passista) não pensa senão em desdobrar essa força fluídica, derramar seu próprio fluido sobre o paciente submetido aos seus cuidados. SEM se ocupar se há ou não uma Providência interessada no caso, tanto ou mais que ele. AGINDO SÓ, não pode obter senão o que a sua força, sozinha, pode produzir; ao passo que os médiuns curadores começam por elevar sua alma a Deus, e a reconhecer que, POR SI MESMOS, nada podem... Esse socorro que envia, são os bons Espíritos que vem penetrar o médium de seu fluido benéfico, que é transmitido ao doente... e, que são devidas simplesmente à natureza do fluido derramado sobre o médium;

ao passo que o magnetizador (passista) ordinário se esgota, por vezes em vão, a fazer passes, o médium curador infiltra um fluido regenerador pela simples imposição de mãos, graças ao concurso dos bons Espíritos".

Continuando, à pag. 8 da mesma Revista Espírita, encontramos:

..."Na ação magnética propriamente dita, é o fluido pessoal do magnetizador que é transmitido, e esse fluido, que não é senão o perispírito, sabe-se que participa sempre, mais ou menos, das qualidades materiais do corpo, ao mesmo tempo que sofre a influência do Espírito..."

Verificamos dessa forma, que não há diversos tipos de Passes. Nos trabalhos de socorro ao próximo, sempre, estaremos secundados pelos Espíritos.

Assim, o Passe possui um único tipo, que podemos designá-lo, se assim o desejarmos de humano-espiritual, dado à simbiose que sempre haverá entre encarnados e desencarnados, mormente nesse campo de atividade.

TIPOS DE PASSE

IMPOSIÇÃO

Trata-se de técnica concentradora de fluidos, dependendo da distancia da aplicação efetuada, funcionará como concentradora e bastante ativante se aplicado de perto do paciente - e calmante se aplicado de longe do paciente, desta forma descarregando fluidos pesados, facilitando a circulação sangüínea.

A forma de executá-lo é muito simples; posiciona-se a (s) mão (s) sobre o lugar onde se deseja fazer a aplicação fluídica, sem movimentos e sem algum toque no paciente. A (s) mãos devem ficar abertas, com os dedos levemente afastados um dos outros, dificultando assim, as contrações musculares nas mãos.

Os passistas digitais, que acima explicamos vão tender a deixar os dedos levemente baixos em direção ao ponto de será fluidificado, e os passistas palmares concentrarão melhor as palmas das mãos, com os dedos sem qualquer arqueadura.

Observações importantes:

As imposições, quando se tratando de inflamações, infecções e cânceres, requerem a aplicação de passes dispersivos ou de distribuição na localidade onde foi efetuada a fluidificação:

Mas qual a função neste particular dos passes de distribuição ou dispersivos?

1 acelerar de certa forma a absorção dos fluidos pelo a área afetada pela infecção ou inflamação e

2 evitar que algumas emanações fluídicas desarmonizadas da área afetada impregnem as mãos do passista, sobretudo lembrando que a concentração por imposição gera um elevado campo magnético, com isso uma grande corrente de energia circulando entra as mãos do passista e a região onde se esta fluidificando.

A imposição carrega de fluidos e por ser caracteristicamente concentradoras esta técnica, sendo praticada onde se demora muito sobre o coronário podem provocar tonturas dores de cabeça no paciente, ações irritantes sobre o sistema nervoso, podendo ocasionar sérios embaraços magnéticos, neste caso também recomendamos, os dispersivos intercalados com as imposições nas áreas fluidificadas, buscando evitar essas sensações, pois como veremos abaixo os dispersivos ou como é costumeiramente chamado os passes de limpeza ou distribuição, auxiliam realmente na maior assimilação e distribuição energética por todo o corpo, como também na retirada dos excessos.

PASSES LONGITUDINAIS

Passe longitudinal é aquele feito ao longo do corpo, de cima para baixo. A base fundamental desta aplicação é a formação de uma corrente de fluidos que, partindo do passista e veiculado pelas suas mãos, transmite-se ao corpo do paciente em todo o seu campo vibratório.

Os passes longitudinais movimentam os fluidos e os distribuem, mas quando ultrapassam as extremidades ( pés e mãos), os descarregam.

Conforme o nome sugere a direção de sua movimentação: ao longo de - é também chamado passe de extensão. Ao contrário, os longitudinais são feitos com movimentos e não com as mãos fixas sobre um só ponto.

Esta técnica é muito rica entre todas as outras técnicas. Dependendo da velocidade e da distância com que são aplicados, os longitudinais atendem todos os padrões e técnicas estabelecidas pela combinação desses dois fatores. Assim, um longitudinal lento e próximo terá características concentradoras de ativantes e se lento e distante, funcionará como concentrador de calmante. Os movimentos do passe, através da força mental, é que irão conduzir, ou melhor dizendo, direcionar ou dispersar os fluidos que as técnicas concentradoras acumularam.

Os longitudinais, quando usados como dispersivos ou passes de distribuição geral, são excelentes para promover a distribuição e introjeção de fluidos concentrados no campo vibratório do paciente para absorção do mesmo, restabelece a harmonia das vibrações anímicas e físicas, auxiliando nas dores, todavia na resolução de problemas de transe mediúnico, hipnótico ou sonambúlico, seu efeito é lento e se faz necessária muita movimentação para isso, devendo se utilizada nestes casos as técnicas mais objetivas para estes problemas. Grande vantagem ai vista é que, por sua versatilidade, podemos fazer uso desta técnica para atender a praticamente todos os casos de fluidificação, ressalvadas as especialidades que solicitam técnicas mais objetivas.

O passe tradicionalmente visto nas casas espíritas é composto de três movimentos:

O primeiro é a imposição das mãos na altura dos parietais, onde é estabelecido o contato entre as correntes magnéticas, do passista e do receptor.

Os passes se executam com os braços estendidos naturalmente, sem nenhuma contração e com a necessária flexibilidade para a realização dos movimentos; como regra geral, que deve ser rigorosamente observada, os passes não podem ser feitos no sentido contrário às correntes, isto é, de baixo para cima, o que seria, se assim podemos nos exprimir, uma verdadeira "desmagnetização", verificando acima de tudo que este movimento, digo, de baixo para cima, causaria uma força contrária a rotação natural dos chacras dificultando a assimilação e levando os chacras a não absorverem e manterem os fluidos nas suas periferias. Todavia acontecendo tais movimentos errôneos, é necessário aplicar alguns dispersivos ou comumente chamado os passes de distribuição, movimentando os fluidos presos nas periferias dos chacras devido os movimentos terem sido de baixo para cima.

Por isso, as mãos devem descer suavemente, em movimento nem muito lento, nem muito apressado, até o ponto terminal do passe e cada vez que se repete um passe, deve-se ter o cuidado de fechar as mãos e afastá-las do corpo do paciente e, assim voltar rapidamente ao ponto de partida.

Com a descida das mãos, inicia-se o segundo movimento que é a limpeza dos fluidos arrastados pelas mãos; ao final do movimento, as mãos se fecham e em seguida é feita a eliminação dos fluidos negativos da mesma, para baixo ou para trás.

O terceiro movimento é a colocação dos fluidos salutares. Neste momento, através das mãos, se realiza a doação dos fluidos e o movimento deve ser suave, não sendo necessário imprimir força ao mesmo. Com relação a esta terceira etapa, pode-se estabelecer a seguinte comparação: Na frente do paciente existe uma linha contendo gotas de orvalho que descerão sobre o mesmo, de forma suave. Assim deve-se dimensionar o ato de doação.

Poderemos verificar que existe uma mescla acima do Passe Longitudinal com as Imposições.

Normalmente este modalidade, onde encontramos a imposição com os longitudinais, servem para os pacientes com desarmonias fluídicas gerais, quando se detecta problemas no trânsito fluídico pelos centros vitais, crises de epilepsia, convulsões, perdas do domínio das funções nervosas, quando necessita de reforço fluídico para uma maior harmonização entre todos os centros vitrais. Sua aplicação é bastante simples, como poderemos ver: com uma das mãos fazemos uma imposição sob o centro vital que iremos fluidificar, com a outra iremos fazer um longitudinal, a partir do centro vital onde estamos fazendo a imposição, fazendo assim, dispersivos gerais. Ressaltamos, ainda que ao final dessa técnica de conjugação, devemos fazer dispersivos localizados, sobre o centro em desarmonia, pois o mesmo poderá reter uma carga grande de fluidos, pois, enquanto uma mão faz o longitudinal a outra é fixada sob o chacra desarmonizado. Depois do dispersivo localizado no chacra desarmonizado aconselhamos um dispersivo geral sob todo o campo vibratório do paciente.

PASSE COLETIVO

Caracteriza-se esta modalidade, quando o número de passistas é insuficiente para atender a todos os freqüentadores individualmente, pode-se lançar mão deste recurso como medida de emergência. Realiza-se esse trabalho com o diretor, após a prece e a preleção evangélica, pedindo a todos os passistas presentes que doem fluidos aos trabalhadores do plano espiritual e mentalizem as aplicações dos passes necessários a cada paciente.

Esta modalidade poderá ser aplicada mentalmente, imaginando os passistas aplicando os passes através das projeções mentais sob os pacientes no recinto.

PASSE A DISTÂNCIA – IRRADIAÇÕES

Nesta modalidade, comumente verificamos uma equipe de médiuns que visitam hospitais e que na busca do auxílio reservam uma atividade para as irradiações a distância para aqueles enfermos visitados nos hospitais.

O médium sintonizado com o necessitado, a distância canaliza igualmente fluidos salutares e benéficos. Os doentes são beneficiados não somente em virtude dos fluidos dirigidos conscientemente pelos encarnados como pelas energias extraídas dos presentes pelos cooperadores espirituais.

O passe a distância entretanto é praticado da seguinte maneira :

Concentração e prece

Idealizar a figura material do doente – se for conhecido – dando como presente; ou, então, imaginar sua figura, no local indicado e ir lá com o pensamento.

Fazer sobre essa figura, imaginada ou ideoplastizada, os passes indicados, encerrando com uma prece.

AS VIBRAÇÕES IRRADIADAS E AS AQUISIÇÕES ESPIRITUAIS:

"O Espírito não se acha encerrado no corpo como numa caixa, irradia por todos os lados..."

(Allan Kardec. O Livro dos Espíritos. q. 420)

"Quando o pensamento está em alguma parte, a alma também aí está, pois que é a alma quem pensa. O pensamento é um atributo".

(Allan Kardec. O Livro dos Espíritos. q. 89 a)

"Todos os Espíritos irradiam com igual força?

Longe disso. Essa força depende do grau de pureza de cada um".

(Allan Kardec. O Livro dos Espíritos. 92 a)

Pelas questões acima podemos perceber a importância das qualidades morais e espirituais para uma ação eficaz no campo das vibrações. Por isso é fundamental que o integrante da reunião mediúnica, ou reunião de passes magnéticos a distância se aprimore a cada dia, procurando superar as suas imperfeições a fim de que a sua participação no auxílio aos que mais sofrem se processe de forma mais consistente.

A VONTADE E O SEU PAPEL NAS VIBRAÇÕES:

"A vontade é a gerência esclarecida e vigilante; governando todos os setores da ação mental".

"... ela (a vontade) é o leme de todos os tipos de forças incorporados ao nosso conhecimento.

Só a vontade é suficientemente forte para sustentar a harmonia do espírito". (Emmanuel. Pensamento e Vida. Cap. II, páginas 16 e 17)

"A vontade é, assim, a expressão do nosso livre-arbítrio. Por ela damos os nossos testemunhos e demostramos os nossos ideais no bem. (...) A vontade é constituída dos seguintes fatores dinâmicos: impulso, autodomínio, deliberação, determinação e ação. Todos eles interligados e decorrentes entre si".

(Ney Prieto Peres. Manuel Prático do Espírita. Parte III, Cap. 42, pág. 203)

Pelo que percebemos diante das colocações acima, a vontade é um instrumento fundamental na ação do bem. Urge que desenvolvamo-la com esforço perseverante, pois, igualmente através do seu exercício, nós conseguirmos vencer as nossas más inclinações e atingirmos o nosso progresso moral.

TRANSVERSAL

Técnica essencialmente dispersiva, por este fato muito eficiente quando aplicada com conhecimento.

Funciona basicamente, com os braços paralelamente esticados sem enrigecimento dos mesmos e as mãos voltadas em direção ao ponto que se deseje aplicar o transversal, abrindo-os com rapidez e vigor. Tendo bastante cautela quanto a distância tomada entre as mãos e o corpo do paciente, para não batermos no mesmo.

Neste caso, é como se nós arrancássemos a lama de um companheiro e jogássemos para longe, de forma que a sujeira não volte mais para ele, simplesmente posicionando os braços à altura da cabeça, peito e ventre e em seguida abrindo os braços no sentido de dispersão das energias maléficas impregnadas no campo vibratório do paciente. Depois de abertos os braços, recomenda-se fechar as mãos, retornando-as ao ponto onde se deseje fazer nova dispersão.

Sua ação é muito efetiva quando se requer uma dispersão muito intensa, tanto no sentido de introjetar fluidos concentrados quanto para desfazer o estado de transe do paciente que se estamos fluidificando.

Podemos ainda, verificar uma ramificação da técnica ora estudada é o :

Transversal Cruzado Basicamente, tem o mesmo procedimento, só que em vez dos braços ficarem estendidos paralelamente, eles são cruzados à frete do paciente, sempre em direção ao ponto que se deseje dispersar. Com eles também visamos projetar fluidos dispersivos que produzem como que um choque que desarticula as ligações fluídicas do obsessor com o doente, movimentando as agregações fluídicas obsessor-doente.

Interessante salientar, que pelo vigor com que é praticada, essa técnica deveria cansar muito o passista, mas como o passe, geralmente, é via de mão dupla, o efeito positivo dos dispersivos no paciente traduz-se numa sensação de equilíbrio e satisfação no passista.

No caso de dispersão em paciente que acabou de incorporar, ou que esteve sob efeito de hipnose ou sonambulismo e está sentindo dificuldade de retornar ao domínio da própria consciência e até as vezes do próprio corpo, o transversal deve ser aplicado sobre o chakra frontal, com bastante vigor e atenção por parte do passista. Geralmente o efeito desta prática é muito rápida. Os braços como acima vimos devem se estender completamente no sentido lateral.

PERPENDICULAR

Também prática geralmente usada para dispersar, onde o seu poder é mais consistente, pode também ser útil em concentrações fluídicas em grandes regiões. Seu funcionamento solicita que o paciente esteja formando um ângulo reto com o passista, no campo das concentrações fluídicas deve ser aplicado com velocidade muito lenta.

O passista passará as mãos simultaneamente , uma pela frente e outra pelas costas, perpendicularmente, sempre no sentido da cabeça aos pés, com rapidez, no sentido de dispersar.

O passista faz um giro em torno do paciente para formar o ângulo adequado da aplicação e posiciona uma mão sobre a parte da frente da cabeça e a outra pela parte de trás, descendo as duas juntamente de cada lado do corpo, até os pés

Observações:

1 Quando formos usar o perpendicular como concentrador de fluidos, deveremos movimentar as mãos ao longo do corpo do paciente, numa velocidade muito lenta, conforme algumas experiências, em torno de 8 segundos, da cabeça aos pés.

2 Verificamos patentemente a existência de sub-chacras em nosso em nosso corpo fluídico, pois, conforme vemos esta técnica também aciona-os e uma forma patente de se verificar esta técnica é o fato de nas reuniões mediúnicas os passistas atenderem os companheiros em trabalho mediúnico pelas costas, com resultados sempre satisfatórios, indicando acima de tudo o interligamento dos chakras.

Verificamos algo mais, que sempre as imposições feitas para facilitar as manifestações mediúnicas são, quando não sobre o coronário, sobre a região do umeral. (região localizada entre a nuca e as omoplatas). O umeral também esta em relação com a medula espinhal, exerce influência sobre as tensões musculares, atua também na parte do sistema nervoso. Verificamos, ai, que dispersivos localizados nas costas através dos perpendiculares, são extremamente eficientes.

CIRCULAR OU ROTATÓRIO

Como podemos deduzir, é a técnica definida que usa de movimentos circulares.

Esta técnica é definida como concentradora, mesmo quando feitos em giros mais rápidos.

Mas. Por quê? Ë bastante simples.

Como os centros de força, conforme tivemos a oportunidade de estudar, giram no sentido horário e as mãos, quando operando esta técnica de circulares ou rotatórios, giram nesse mesmo sentido, contribuem para um tempo maior de captação, de forma que o incremento de velocidade das mãos nos circulares tornarão esses passes mais concentradores.

É verdade, conforme nos dizem os grandes estudiosos da matéria como Jacob Melo (O Manual do Passista), “que existe um limite para o aumento deste poder concentrante, todavia não sabemos definir ainda com precisão até que ponto o incremento de velocidade repercute no aumento do efeito concentrador”. O que na verdade verificamos, é que a ponderação deverá seguramente ser a diretriz para qualquer passista, principalmente sabendo que poderá causar danos magnéticos ao paciente, no caso da demora.

Veremos dois grupos de aplicação nesta modalidade:

1 Circulares normais - são executados com as mãos, com os braços sem movimentos.

Como esses passe são além de concentradores, muito ativantes, deverão ser aplicados muito próximos ao ponto que se deseja realizá-los. Os dedos ficam levemente arqueados em direção a esse ponto, com a palma girando, sempre em sentido horário.

Quando a mão finaliza um giro, retorna-se a mesma, fechando-a, suspendendo-a na amplitude que a munheca permitir - já que o braço, em tese, não deverá mover-se - e reinicia-se o círculo outra vez, repetindo o processo até que a fluidificação esteja concluída.

2 As aflorações - esta solicita o movimento do braço e do antebraço. Normalmente, as mãos ficam espalmadas, sem contrações, ou com o dedos levemente arqueados.

Como esta técnica é mais utilizada para grande regiões, pratica-se movimentando o braço no sentido de giro sobre a região a ser tratada, sempre no sentido horário e a pequena distância. Normalmente o giro é feito de forma contínua, mas se houver por alguma motivo interrupções, as mãos deverão ser afastadas, fechadas e depois, no reinicio do passe, repousadas no mesmo ponto em que a floração será reiniciada.

Os passes circulares, são muito eficientes em processos de inflamações em pequenas regiões, problemas digestivos e males em geral do baixo ventre.

No caso de serem usadas as duas mãos, deve estar muito atento ao sentido do giro, pois nosso automatismo fisiológico normalmente impulsiona a que a mão tome o sentido horário e a outra o anti-horário. Em caso de dúvidas, incicie o passe com uma mão apenas e, logo em seguida, adicione a outra, que deverá seguir o mesmo sentido da anterior. Lembrando que os circulares em sentido anti-horário causas congestões fluídicas, provocando mal-estares. E dependendo do tempo da magnetização, poderá causar danos imprevisíveis.

As aflorações também podem ser aplicadas como se fossem longitudinais. Neste caso, os círculos seriam feitos ao longo do corpo do paciente, sempre da cabeça aos pés, com os braços girando em sentido horário”. (Jacob Melo – O manual do Passista)

SOPRO ou INSUFLAÇÃO

Consiste em insuflar com a boca, mais ou menos aberta, o hálito humano sobre as partes afetadas do paciente, fazendo penetrar o máximo possível na área dos tecidos. Para isso é necessário que o passista aspire ar suficiente para dilatar seu tórax, além do normal, deverá Ter capacidade bem ampla de respiração, podendo obtê-la através de exercícios de respiração profunda.

André Luiz em Os mensageiros – Cap 19 – O Sopro, nos diz “Nossos técnicos não se forma de pronto. Exercitam-se longamente, adquiririam experiência a preço alto. Em tudo há uma ciência de começar. São servidores respeitáveis pelas realizações que atingiram, ganharam remunerações de vultos e gozam de enorme acatamento mas, precisam conservar a pureza da boca e a santidade das intenções. Nos círculos carnais, para que o sopro se afirme suficientemente, é imprescindível que o homem tenha estômago sadio, a boca habituada a falar o bem, com abstenção do mal, e mente reta, interessada em auxiliar. Obedecendo a esses requisitos, teremos o sopro calmante e revigorador, estimulante e curativo. Através dele, poder-se-á transmitir, também na Crosta, a saúde, o conforto e a vida”.

Divide-se em dois grande grupos:

1 Frias - são muito usadas como dispersivos ou calmante a depender da distancia e da força que se imprime no próprio sopro a verificar, pois são aplicadas, normalmente a uma relativa distância da região que se deseje dispersar, como se ali estivesse uma a vela que se queira apagar.

O sopro é dado com os pulmões cheio de ar, liberando-os lentamente (se o objetivo é acalmar) e rapidamente e com vigor ( para o objetivo de dispersar, como acordar o paciente de um sono magnético, sonambúlico ou mediúnico, depressão nervosa, afastamento de espírito). Poderemos verificar, que nesta aplicação o centro laríngeo será o grande usinador de fluidos e que dependendo do seu estado, doará saúde ou desarmonia.

2 Quentes - ao contrário das frias, são extremamente concentradoras de ativantes. São aplicadas o mais próximo possível da região que se queira fluidificar, como se ali tivesse uma lâmina que quiséssemos embaçar.

É praticada com os pulmões cheios de ar, com o aquecimento do estômago, liberando-os lentamente, até esgotar o ar.

Findando a insuflação, afasta-se a boca do local, respira-se normalmente algumas vezes e depois, com os pulmões novamente cheios, repete-se a insuflação.

Verificamos que esta modalidade de insuflação deverá ser é extremamente desgastante para o passista, podendo até causar tonturas leves.

Cuidados na Aplicação:

Evite-se aplicar diretamente sob os centros vitais principais; após um máximo de duas insuflações quentes, faça-se uma série de dispersivos localizados antes de repeti-las, salvo exceções, nunca faça mais de 5 insuflações quentes por sessão, pois a perda fluídica é muito grande.

Além da boca sadia, tenha um hálito mental equilibrado, conforme nos orienta André Luiz acima.

Antes dos passes evite alimentos pesados e muito gordurosos. Tenha boa higiene bucal e evite fazer insuflações se tiver problemas gástricos e de esôfago.

Não use a palavra para acusar, falar mal, condenar, fofocar ou levantar falso.

Apesar dos inconvenientes de sua prática, cabe às insuflações quentes o maior grau de eficiência em tratamentos de inflamações e infeções em pequenas regiões (tumores localizados, feridas com dificuldade de cicatrização). Entretanto, pelo seu poder muito concentrador de ativantes, sempre há riscos de retorno de cargas fluídicas densas para a fonte.

Assim é muito importante fazer sempre uma intercalação com dispersões localizadas, inclusive algumas delas sendo feitas por insuflações frias à pequena distância, como também o uso de flanela fina para melhores cuidados (com essas precauções evitamos possíveis agregações fluídicas desarmonizadas à boca do passista)

O AUTO PASSE

Edgar Armond, no Livro Passes e Radiações nos informa que esta é uma modalidade bastante útil porque permite ao próprio doente e aos médiuns trabalharem em sua própria cura e utilizarem os recursos imensos que estão a disposição de todos pela misericórdia de Deus, Criador e Pai. Os médiuns devem utilizar do Auto Passe para limpeza psíquica de si mesmo e o recarregamento de energias dos plexos e centros de força.

Todavia, se analisarmos que como médiuns passistas, somos verdadeiros filtros e que colaboramos ou dificultamos e até mesmo contaminados as aplicações fluídicas da espiritualidade no enfermo, deveremos crer a partir destas informações que devemos estar cientes de nossa postura em relação a nossa conduta moral, sabendo também que o passe é, via de regra, uma via de mão dupla.

Então somos levados a crer que se estamos descompensados, não estaríamos também incapacitados de aplicar o passe?

Nestes casos bastaria uma prece sincera para restabelecermos nossa harmonização.

Kardec, na Revista Espírita, set 1865, pág 254 – Da mediunidade curadora, nos assevera: “A prece, que é um pensamento, quando fervorosa, ardente, feita com fé, produz o efeito de uma magnetização, não só chamando o concurso dos bons espíritos, mas dirigindo ao doente uma salutar corrente fluídica”. E como somos transmissores desta corrente, seguramente ficaremos também envolvidos de uma certa forma nas mesmas.

Não descartamos e respeitamos todas as opiniões dadas a respeito deste item, concordamos que a prece é sempre um verdadeiro e profundo mecanismo de auto-passe. Concluindo que nossa conduta moral mesclada com o trabalho no bem e o amparo a outros através do passe, sempre nos facultará recursos imensuráveis de auxílio em busca de nosso próprio crescimento.

DURANTE A APLICAÇÃO DO PASSE

Enquanto estamos no trabalho de aplicação do passe, deveremos estar voltados para concentrações em coisas edificantes, em prece, mentalizando um lugar harmônico, em fim:

1 Confiança na espiritualidade e desejo de ajudar, todo condicionado na Providência Divina, ou melhor dizendo, fé, amor e humildade

2 Estar sereno, para assim poder registrar pela intuição, as orientações espirituais para a fluidificação a ser desempenhada.

3 Estar mentalizando a recuperação dos órgãos do enfermo, sob a ação dos mensageiros do Senhor; sempre condicionando esta recuperação a vontade Divina e direcionamento moral do paciente.

4 Conhecer a localização dos centros de força, pois com isso os espíritos que trabalham nesta atividade poderão através de sua intuição, direcionar as cargas fluídicas benéficas para os chakras que influenciam as localidades enfermas.

5 Silencio não somente exterior todavia interior localizando todas as atenções na ação a ser desempenhada.

6 Reflexos das impressões dos pacientes, é bastante comum os passistas sentirem as sensações que os pacientes experimentam. Ora nosso campo fluídico absorve com facilidade as emanações do paciente, nestes casos são recomendados dispersivos gerais primeiramente antes das aplicações fluídicas. É comum, também, os passes em pessoas sob a atuação de espíritos em desequilíbrio, o passista poderá registrar reflexos negativos desde a hora em que se propões a ajudar, podendo perdurarem ainda depois do passe. Sabendo que somos ainda imperfeitos, somos também criados pela mesma matéria elementar e que nosso campo vibratório assimila com facilidade outras emanações exteriores que conosco se afinizem, verificaremos a grande facilidade de as absorver, pois ainda somos pequenos, daí a grandiosa frase deixada pelo Divino Amigo “Orai e Vigiai”, só assim, através do altruísmo, da moralização do ser, paulatinamente modificaremos o nosso ritmo vibratório não afinizando mais com energias deletérias.

É compreensível que os espíritos envolvidos na trama obsessiva, conhecendo a disposição do passista em colaborar, pretendam também mexer com o seu bom ânimo, afastando-o do caminho do enfermo. Perseverança e conhecimento das responsabilidades são porções medicamentosas para tais afecções.

DISPERSIVOS E SUAS IMPORTÂNCIAS

Já falamos bastante em dispersivos ou passes de distribuição e limpeza, todavia gostaríamos de dar alguns destaques breves sobre suas funções bem como a importância nas técnicas dos passes já utilizadas por nós na nossa casa espírita. O termo dispersivo, também conhecido por alguns como limpeza fluídica.

Analisando o dicionário Aurélio, o termo dispersar entre outras coisas significa - fazer ir para diferentes partes, pôr em debandada, espalhar.

A primeira significação desta palavra em foco , na cabeça de muitos médiuns tem o sentido de dissipar, desfazer.

Por isso, conversar um pouco sobre os mesmos nos levará, seguramente, a melhores compressões desta técnica.

Os dispersivos:

Aqui seguem algumas características dos passes de distribuição ou dispersivos:

  1. Filtram os fluidos, refinando-os para os atendimentos;
  2. Introjetam os fluidos que ficam, por motivos vários, armazenados nas periferias dos centros vitais para consumo gradual do paciente;
  3. Catalisam fluidos, aumentando seu poder e velocidade de penetração, fazendo uma assepsia no campo vibratório do paciente facilitando a penetração dos mesmos, facilita também o alcance e transferência entre os centros vitais; quando em grande circuito, faculta a harmonia e o equilíbrio entre os centros vitais;
  4. Esparge as camadas fluídicas superficiais, deixando mais visíveis e sensíveis os focos de desarmonias; elimina os excessos de concentrados fluídicos por ocasião do passe, assim favorecendo ao paciente uma sensação de equilíbrio e ao passista uma recompensação fluídico-magnética que dificulta a possibilidade de uma fadiga;
  5. Resolve desarmonias causadas por fadigas, embora nestes casos seja quase sempre requerida a ingestão simultânea de água fluidificada;
  6. Corrige eventuais equívocos no uso de técnicas de passe; redireciona cargas fluídicas entre os centros vitais. Por fim, é certo que os dispersivos extraem excessos fluídicos redirecionando-os mesmo, para regiões mais necessitadas, mas não extraem ou arrancam os fluidos que foram aplicados, como supõem alguns, nem muito menos joga-os fora.

Quando doamos fluidos através do passe, o organismo vital do paciente os absorve e retêm, por um processo de afinidade, não permitindo que fluidos retidos a partir de então, sejam retomados por um simples dispersivo.

Os excessos são extraídos exatamente porque não estão retidos pela combinação ou afinidade, daí a maleabilidade em seus manuseios.

PASSE NOS CHAKRAS

São aconselháveis para a reativação para os centros de força nos casos de desenvolvimento mediúnico, no campo das curas, levando-se em consideração a localização de cada um e sua repercussão nos plexos do organismo físico. Aplicam-se os passes acima mencionados relativos e direcionado aos pontos onde se encontram os chacras refletido em nosso organismo físico pelos plexos. Levando sempre em consideração o tempo de sua aplicação para ao invés de reativar, sobrecarregar.