Somos seres sexuados

Cláudio Girardi

O homem é um ser sexuado, mas não é só sexo. No movimento pendular da história humana, insiste-se ora mais num determinado valor, ora outro. A momentos de restrição sucedem momentos de exacerbação e momentos de equilíbrio.

Vivemos num momento histórico em que parece que a avalanche da permissividade, para não dizer de libertinagem, rompeu todos os diques no que diz respeito à sexualidade. O único objetivo parece ser o prazer a qualquer preço, sem nenhum limite. Os magnatas dos meios de comunicação social parecem não ter prato mais apetitoso a oferecer ao público de todas as idades do que sexo sob as mais variadas formas, desde as mais sutis e veladas, até as mais virulentas e desbragadas. Sim, é violência invadir com insinuações imorais os mais diversos programas de televisão.

A quantas pessoas um pouco mais criteriosas não acontece, ao ligar a televisão, para um pouco de lazer, de após repassar um por um, todos os canais ter que concluir: não há nada que compense o tempo que vou dedicar a qualquer destes programas que estão sento apresentados. A conclusão óbvia é que quem desejava obter algo de positivo de um aparelho destinado a promover o bem público, tem que desligá-lo porque a única coisa que lhe está apresentando é sucata, imoralidade, mediocridade ou a mais chã superficialidade.

Os assuntos mais sérios são tratados com uma ignorância crassa dos princípios mais rudimentares.

A televisão brasileira ainda se dirige a uma maioria formada por famílias de orientação cristã. Este é um fato simplesmente ignorado pelos meios de comunicação social que manda ao ar qualquer coisa, pouco importando az quem vão atingir. Isso, em todos os assuntos e também no que se refere à sexualidade.

Poucos são os homens que têm noções claras a respeito de sexo, sexualidade, genitalidade. É pavorosa a ignorância existente no meio do povo e dos jovens a respeito deste assunto e a práxis é muito pior.

O sexo não é privilégio do homem. Plantas e animais também têm sexo. A diferença está em que as plantas obedecem às leis naturais e os animais, ao instinto. O homem, rei da natureza, deveria seguir os princípios da lei natural, os princípios da razão e as normas da fé. Que vemos? Vemos um homem dominado pelo machismo e agindo pior do que os irracionais.

Em nosso corpo, o sexo se traduz pela sexualidade que se manifesta em todo o nosso ser e nos define como homem e mulher. A sexualidade com a qual cada pessoa nasce vai se manifestando ao longo dos anos, definindo os diversos aspectos morfológicos, psicológicos, sociais e morais, masculinos e femininos.

A grande e indispensável pergunta que poucas pessoas se fazem é: por que e para que existe o sexo? Para que e por que existem o sexo masculino e o feminino? Por que homens e mulheres?

Estamos fartos das respostas sem nexo das novelas balofas, dos filmes chochos, das conversas superficiais.

Precisamos, então muitas outras coisas, de pessoas que parem para pensar. Precisamos de jovens sensatos que, em vez de se aventurar, tentem uma caminhada sadia que os leve a viver, em plenitude, a magnificência da sexualidade humana dentro dos parâmetros estabelecidos pelo Criador.

Precisamos de dirigentes dos meios de comunicação social que escutem os princípios da ética da comunicação e que pautem seus programas por princípios que respeitem a verdade, em todos os assuntos e em todos os aspectos destes assuntos.

Só assim formaremos gerações sadias no que se refere à sexualidade.

(Gazeta do Povo - 23.05.97)

(Jornal Mundo Espírita de Julho de 1997)