O Espiritismo é religião?

Paulo da Silva Neto Sobrinho

O site: www.ajornada.hpg.ig.com.br realizou, no período de novembro a dezembro de 2001, uma entrevista para conhecer e disponibilizar aos internautas o perfil de cada um de seus colunistas. Entre as várias perguntas destacamos uma, já que ela ainda gera polêmica no meio Espírita: O Espiritismo é Religião?

01 – Albert Paul Dahoui

Escritor de "A Saga dos Capelinos".

Resposta: Sim. Pura e simplesmente sim. Qualquer palavra adicional é supérflua.

02 – Amílcar Del Chiaro Filho

Apresentador de vários programas na Rede Boa Nova de Rádio, articulista em vários jornais e presidente do Grupo de Estudos e Pesquisas Espíritas Herculano Pires, de Guarulhos e 2º secretário da USE Intermunicipal de Guarulhos.

Resposta: O assunto é delicado mas não posso me omitir. Não o tenho como religião, mas ele me conduz a uma intensa religiosidade. Aceito-o como religião natural, como ensinou Herculano Pires, sem nenhuma conotação com qualquer religião, rito ou o que seja.

03 – Carlos de Brito Imbassahy

Engenheiro e Professor de Física aposentado, articulista e escritor de vários livros.

Resposta: Não, mas tem uma parte religiosa contida logo no capítulo I do Livro dos Espíritos (Que é Deus). Uma religião possui sacerdotes, mitos, cultos, dogmas enfim e o Espiritismo não tem nada disso. Contudo, como Virgilio definiu a religião (em latim: religio, onis) como sendo o estudo dos deuses e de suas obras, seu culto e rituais em sua homenagem, sem dúvida, temos a primeira parte desse conceito. O Espiritismo é uma doutrina, como define Kardec no seu livro "O Que é o Espiritismo".

04 – Carmen Imbassahy

Escritora e Articulista espírita.

Resposta: Segundo Allan Kardec, no seu principal livro - O Que é o Espiritismo -, a Codificação espírita é uma doutrina de caráter experimental cientifico e conseqüências filosóficas, encerrando uma parte religiosa, como garante a um padre, respondendo-o, no mesmo livro.

05 – Clécio Carlos Gomes

Médium de incorporação, psicólogo e psicopatologista especializado em saúde mental. Divulgador da técnica apométrica e escritor.

Resposta: Do ponto de vista de religação a Deus, sim. Porém as religiões possuem uma tendência dogmática e isso já ocorre dentro do espiritismo. Não podemos esquecer que o dogmatismo é humano e não divino e isso cria uma série de julgamentos e pré-conceitos. Encaro o espiritismo mais como uma doutrina-filosófica e, conseqüentemente, como a ciência da alma.

06 – Eduardo Carvalho Monteiro

Psicólogo, Vice-Presidente da Sociedade Espírita “Anália Franco” de Eldorado (Diadema); Assessor Pró-Memória da USE-União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo, responsável pelo seu CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO HISTÓRICA; palestrante e escritor com 21 livros publicados.

Resposta: Sem dúvida alguma. Relembro aqui uma magistral síntese do prof. Herculano Pires sobre a questão: "Espiritismo é a ciência do Espírito e de suas relações como Homem, advindo daí uma doutrina filosófica de conseqüências morais ou religiosas”. Quem sou eu para rebater mestre Herculano?

07 – Iso Jorge Teixeira

Médico. Psiquiatra. Livre-Docente de Psicopatologia e Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Resposta: Com certeza NÃO. É uma Doutrina com conseqüências religiosas.

08 – Jacob Melo

Engenheiro Civil e Empresário. Expositor espírita desde os 15 anos de idade. Escreveu o livro O Passe: seu estudo, suas técnicas, sua prática, entre outros.

Resposta: É sim. Não nos moldes convencionais, mas dentro do princípio de que o Espiritismo é baliza para almas que querem norte e buscam consolo, amparo e força, além de razão e bom-senso.

09 – Jussara Korngold

Envolvida com o Conselho Espírita Internacional (CEI) na programação de atividades e também nas traduções de livros espíritas para o Inglês.

Resposta: Sem duvida, porque sem o aspecto religioso da doutrina não conseguiríamos encontrar o sustentáculo necessário para nos manter firmes em nossa disposição de crescimento espiritual. E a parte religiosa que nos enche de fé e que nos guia nas adversidades do caminho. É ela que nos liga a Jesus e que nos auxilia em nossa aproximação com o Pai. Sem o aspecto religioso da doutrina seriamos intelectuais letrados a respeito das coisas do espírito mas traríamos o nosso coração vazio de humildade, caridade e amor

10 – Luiz Carlos D. Formiga

Biomédico com Doutorado em Microbiologia e Imunologia. Professor Universitário, palestrante e articulista Espírita.

Reposta: Até no dicionário a palavra religião é de difícil compreensão. Espiritismo é um neologismo, necessário para explicar uma nova ordem de idéias apresentada em "O Livro dos Espíritos". Nele encontramos uma filosofia de caráter científico e uma ciência de conseqüências religiosas. Oferecendo uma filosofia existencial religa a criatura ao Criador. A compreensão pode ser ampliada com reflexão profunda usando o Capítulo II do Livro Terceiro, Leis Morais, Lei de Adoração de "O Livro dos Espíritos".

11 – Luiz Signates

Jornalista, professor e pesquisador na Faculdade de Comunicação da Universidade Federal de Goiás, presidente da ONG espírita Instituto de Comunicação Social Espírita, membro da Abrade, a Associação Brasileira de Divulgadores do Espiritismo, e também palestrante e escritor espírita.

Resposta: Esta pergunta, se feita para um cientista social, causar-lhe-ia risos. "Claro que é", diria ele. "Basta observar a realidade social do espiritismo, para concluir que é, sim, uma grande religião brasileira, organizada e institucionalizada".

A controvérsia entre espíritas sobre esse assunto, que remonta os primórdios do espiritismo no Brasil e dividia "místicos" contra "cientificistas", tem se verificado exclusivamente num terreno de discussão que eu chamaria de "teológico", porque o que se debate não é a realidade concreta, mas os sentidos e significados dos textos fundadores.

Recentemente, em diálogo com alguns amigos que compõem a CEPA (Confederação Espírita Panamericana, que advoga que o espiritismo não é religião), argumentei que, ante a realidade social e antropológica do espiritismo contemporâneo (inclusive aquele que eles praticam), não há que discutir se somos ou não uma religião. Se não éramos, disse a eles, tornamo-nos. E colhendo quase tudo da herança católica brasileira, inclusive algumas de suas idiossincrasias. Cabe-nos, sim, resolver o que faremos do que somos, da tradição que criamos e que hoje nos estrutura uma identidade cultural espírita, por sinal, bastante diferente daquela que Kardec fundara, lá na França do século 19... Esta, sim, seria uma discussão interessante.

12 – Marcus De Mario

Escritor e Articulista. Realiza palestras, seminários e a escreve para a imprensa espírita..

Resposta: Sim. Não no sentido velho do termo, ou seja, como seita com dogmas, rituais, corpo sacerdotal, etc. É religião no sentido moral/espiritual, de ser doutrina baseada nos ensinos de Jesus e que trabalha a moralização e espiritualização do ser humano. O Espiritismo leva o homem à busca de si mesmo e ao encontro da religiosidade, ou seja, do sentimento raciocinado de fé.

13 – Mercedes Marin

Psicóloga, divulgadora espírita com programas na rádio Boa Nova. Ministra cursos e palestras em centros espíritas.

Resposta: Considero espiritismo também religião, conceituando religião como o sentimento que nos liga ao Divino, a Deus e não uma religião institucionalizada. Mas confesso que o espiritismo me atrai muito enquanto ciência e filosofia.

14 – Orson Peter Carrara

Expositor, escritor, articulista da imprensa, assessor de imprensa da Casa Editora O Clarim colaborando em diversos jornais e sites espíritas.

Resposta: Sim, mas aliada à ciência e à filosofia. Doutrina racional, baseada nos fatos e usando a lógica e o bom senso, leva ao bem.

15 – Paulo da Silva Neto Sobrinho

Bacharel em Ciências Contábeis e Administração de Empresas. Funcionário público aposentado. Expositor espírita com artigos publicados em diversos jornais, revistas e sites.

Resposta: Pensamos que sim. Muito embora não tenha nada a haver com as práticas das religiões tradicionais, e isso leva alguns a não quererem que ela seja uma religião. Fora do meio espírita ela vem sendo gradativamente aceita como uma religião, conforme podemos notar na divulgação de algum resultado de pesquisa popular feita por órgão especializado ou mesmo oficial.

16 – Ricardo Di Bernardi

Médico homeopata geral e pediatra, Presidente da Assoc. Médico-Espírita de Santa Catarina. Articulista espírita, palestrante e autor de diversos livros.

Resposta: Não. É uma Doutrina. Como não tem sacerdotes, dogmas,rituais, dízimos, não é religião porém tem conseqüências ético-morais. No entanto isto não tem importância nenhuma ao meu ver. Na hora que passa o censo na minha casa e pergunta : Religião ? coloco "espírita", pois teria que dar uma hora de aula para explicar ao pesquisador do censo.

17 – Saara Nousiainen

Vice-Presidente da Ass. de Divulgadores do Espiritismo do Ceará, radialista com 3 programas de rádio em Fortaleza e na Rádio Boa Nova e escritora de vários livros.

Resposta: Entendo Espiritismo como um universo de informações, cujo conteúdo modifica paradigmas, amplia conceitos, deixa a criatura de bem com a vida e, aplicado na prática, desenvolve a religiosidade, dando rumos e roteiros para o crescimento interior do ser, rumo ao Pai.

18 – Wlademir Lisso

Advogado, diretor na FEESP da área Federativa que realiza a integração com os Centros, ministra palestras e cursos em Casas Espíritas e Autor de um livro.

Resposta: Sem dúvida. Basta verificar a definição de religião dos dicionários que também significa conjunto de práticas e princípios que buscam ligar o homem a Deus. Religião apoiada na filosofia e ambas apoiadas na ciência espírita. Se entender religião no seu conceito dogmático existe a dúvida mas religião no seu conceito mais amplo e profundo incluímos o espiritismo.

Resumo

Responderam SIM 11 entrevistados 61% do total
Responderam NÃO 04 entrevistados 22% do total
Respostas Indefinidas 03 entrevistados 17% do total.

Quando será que iremos ter uma definição clara sobre esse assunto?

Mas até que isso aconteça, podemos refletir sobre a opinião de Kardec, quando do seu discurso de abertura na Sociedade de Paris, na Sessão Anual Comemorativa dos mortos, feito no dia 1º de novembro de 1868, publicado na Revista Espírita de dezembro do mesmo ano, em que ele diz:

“Se assim é, dir-se-á, o Espiritismo é, pois, uma religião? Pois bem, sim! sem dúvida, Senhores; no sentido filosófico, o Espiritismo é uma religião, e disto nos glorificamos, porque é a doutrina que fundamenta os laços da fraternidade e da comunhão de pensamentos, não sobre uma simples convenção, mas sobre as bases mais sólidas; as próprias leis da Natureza”.

“Por que, pois, declaramos que o Espiritismo não é uma religião? Pela razão de que não há senão uma palavra para expressar duas idéias diferentes, e que, na opinião geral, a palavra religião é inseparável da de culto; que ela desperta exclusivamente uma idéia de forma, e que o Espiritismo não a tem. Se o Espiritismo se dissesse religião, o público não veria nele senão uma nova edição, uma variante, se assim nos quisermos expressar, dos princípios absolutos em matéria de fé; uma casta sacerdotal com um cortejo de hierarquias, de cerimônias e de privilégios; não o separaria das idéias de misticismo, e dos abusos contra os quais a opinião freqüentemente é levantada”.

“O Espiritismo, não tendo nenhum dos caracteres de uma religião, na acepção usual da palavra, não se poderia, nem deveria se ornar de um título sobre o valor do qual, inevitavelmente, seria desprezado; eis porque ele se diz simplesmente: doutrina filosófica e moral”.

Fev/2002.