Personalidade

Paulo Antonio Ferreira

Personalidade deriva do latim - persona - que significava máscara, ou seja aquilo que queremos parecer aos outros. Na Psicologia a Personalidade é uma organização dos vários sistemas físicos, fisiológicos, psíquicos e morais que se interligam, determinando o modo como o indivíduo se ajusta ao ambiente em que vive. Para o Espiritismo a personalidade está na Alma da pessoa. Veremos mais sobre isto mais adiante, no artigo sobre Psicologia.

A personalidade vai se fazendo ao longo do tempo, desde o nascimento até a idade adulta, porém, devido à interação com o meio em que vivemos e à intenção inata de nos comportarmos como os outros desejariam que fôssemos, esse desenvolvimento poderá não levar a pessoa à auto-realização, no sentido de seu Eu real, mas em outras direções menos saudáveis para o bem estar do indivíduo, tais como a do Eu-orgulhoso, a do Eu-coitadinho ou a do Eu-fatalista.

Para uma criança se desenvolver normalmente ela tem que se sentir aceita da forma que é. Ela pode ser corrigida e castigada se for preciso, mas deve se sentir aceita apesar disso, de modo a não afetar o conceito que tem de si mesma. A corrigenda e o castigo devem ser impessoais, sem ofensas à criança. Use mais a palavra Eu do que a palava Você. Diga "Eu não quero" mas nunca "Você é um burro". O importante não é se estamos aplicando o castigo justo mas a nossa generosidade na sua aplicação. Caso contrário, se a criança se sentir rejeitada, poderá construir, quando mais crescida, um novo conceito distorcido de si mesma, onde tenta criar uma falsa idéia de superioridade, entendendo por exemplo que a agressividade passa a ser força, a indiferença passa a ser sabedoria e onde a piedade é vista como algo inferior. O Eu-submisso se transformaria falsamente, nestas circunstâncias, em perfeição cristã e santidade.

As aspirações normais nascem do desenvolvimento da auto-realização harmoniosa e não da necessidade de realizar um Eu-idealizado. As atitudes que a criança desenvolve no Lar tornam-se seus futuros comportamentos mais tarde como adulto.

O traço de personalidade é uma característica constante do indivíduo em situações variadas. Jung propos dois agrupamentos de traços que compreendem em si todas as características pessoais, a Introversão e a Extroversão. A extroversão consiste na tendência de focalizar o interêsse no mundo exterior, vivendo mais no presente, dando mais valor às pessoas e ao êxito social, sendo mais práticas. A Introversão consiste em concentrar interesse nos pensamentos e idéias próprias, visualizando mais o futuro, sendo mais intuitiva.

A frustação ocorre quando algo impede a realização de um objetivo desejado e a pessoa reage emocionalmente de forma pertubada e insegura, com agressividade. A saúde e o ajustamento mental estão relacionados com o tipo de conduta adotado pelo indivíduo para expressar sua agressividade. As energias recalcadas pela frustação procurarão sempre uma válvula de escape. A pessoa normal é aquela que encontra derivativos para os recalques ao passo que a pessoa neurótica não encontra saída para os mesmos.

Já os conflitos ocorrem quando existem motivos em choque, como por exemplo se tivermos de escolher entre ser chamado de covarde por não revidar uma agressão, ou se partimos para a briga franca, rolando no chão com o ofensor e deixando de cumprir a recomendação de Cristo de dar a outra face. Um exemplo de conflito comum são os complexos de inferioridade, já conhecidos por todos. Alguns sintomas deste complexo são os sentimentos de incapacidade, a sensibilidade exagerada à crítica, o isolamento social e as atitudes supercríticas com relação aos outros.

A ansiedade e a angústia são uma desordem emocional produzida pela perspectiva de uma frustação. A angústia se apresenta como uma experiência de antecipação de uma situação futura de perigo. A ansiedade é uma forma de medo em que o objeto é vago e indefinido.

Alguns conflitos neuróticos convertem grande parte da angústia em ação física no corpo da pessoa. Dizemos que houve somatização e a tensão conflituosa pode afetar várias partes do corpo. Se a região límbica for a atingida passarão a ocorrer emoções de medo, de angústia e de depressão. Se atingir o hipotálamo e hipófise surgirão distúrbios da tireóide alterando o desgaste celular, a pressão arterial e a taxa de açúcar no sangue. Se o diencéfalo for atingido haverá perturbações na circulação, palpitações, hiperacidez no trato digestivo, cólicas hepáticas, falta de ar e inibição da atividade sexual.

Quando os mecanismos normais de ajuste não são suficientes, sendo utilizados constantemente, estaremos lidando com uma neurose que é o passo intermediário para a psicose ou loucura. A neurose manifesta-se com estados de angústia, hipocondria, histeria e fobias.

Se a pessoa se fixasse demais em suas deficiências, conflitos e frustações perderia sua auto-estima, desintegrando sua personalidade. É preciso se ajustar através de mecanismos de defesa. Os principais mecanismos são o de compensação (ao se achar inferior em um setor procura se superar em outro), de racionalização (explicações para os fracassos), de projeção (atribuir a terceiros os sentimentos que são nossos), de identificação (assumir mentalmente a identidade de uma pessoa forte), de regressão (comportamento de pessoas muito mais jovens), de fixação (comportamentos estereotipados), de idealização (criação de um mundo mais justo), de repressão (reprimir a lembrança, afogando a memória), de sublimação (atividades artísticas e religiosas), e de fantasia (viver em imaginação o que gostaríamos de viver).

A Catarse é o ato de descarregar tensões através de diversas atividades. Quando empregados comedidamente esses mecanismos são normais e necessários para manter o equilibrio emocional. Um bom filme que permita a identificação com o herói serve como um bom meio para descarregar as tensões frustantes. Da mesma forma uma caminhada, um exercício físico, a prática da yoga, do Tai Chi Chuan, de lutas corporais, de qualquer esporte, um hobby, dançar, uma tarefa útil como bordar, pintar, fazer compras, escrever programas úteis de computador, escrever um livro, praticar uma religião, fazer uma prece e participar de obras beneficentes, são maneiras de descarregar as tensões que se acumulam durante nossa vida. Mas precisamos ter cuidado para não levar para esses lugares os nossos problemas, estragando o ambiente.

Leia também o artigo sobre A Reforma Íntima onde você poderá encontrar uma outra maneira de fazer a catarse pela auto-análise, conhecendo-se, libertando-se de suas imperfeições e atingindo o domínio de si mesmo.

"... Ora, se encarando as coisas deste mundo da maneira por que o Espiritismo faz que ele as considere, o homem recebe com indiferença, mesmo com alegria, os reveses e decepções que o houveram desesperado noutras circunstâncias, evidente se torna que essa força, que o coloca acima dos acontecimentos, lhe preserva de abalos a razão, os quais, se não fora isso, a confundiriam."

(Allan Kardec. "O Evangelho Segundo o Espiritismo. Capítulo V. Bem Aventurados os Aflitos. Item 14 - O suicídio e a loucura.)

Rio de Janeiro, 1º de Julho de 1999.


Referências: