O Coordenador de Grupo

Joanira Necas Soares

de Ribeirão Preto, SP

Nas casas espíritas as atividades estão divididas em grupos, que atendem às necessidades imediatas dos trabalhadores em tempo, (disponibilidade de dia da semana, horário), afinidade com as tarefas e com os participantes dos grupos, etc.

Cada grupo tem, (ou deveria ter) um coordenador, que em suas atribuições doutrinárias tem como responsabilidade orientar e estimular a participação dos companheiros nas atividades gerais do Centro Espírita, bem como criar programas de estudo que permitam o progresso e o desenvolvimento da equipe como um todo, dentro dos parâmetros da Doutrina Espírita.

É dever do coordenador articular os grupos, manter a organização, a ordem, a disciplina, zelar pela pureza doutrinária, cumprir o regulamento e conhecer o Estatuto da casa espírita em que trabalha; estimular os participantes à contribuição natural e espontânea no Movimento Espírita; criar método de trabalho que permita o desenvolvimento integral do grupo numa visão nova, dentro da construção do conhecimento espiritual que desponta a cada nova tarefa executada com amor e responsabilidade.

O coordenador deve se encontrar incorporado ao todo, ele não é parte isolada do grupo, não está acima de ninguém, é um servidor como qualquer outro, que assumiu uma responsabilidade maior; daí, portanto, não tem o direito de mandar ou exigir, tem o dever de expor, refletir e compreender junto com seus pares tudo que possa contribuir para um bom desempenho doutrinário.

Coordenar um grupo deve ser tarefa de alguém que tenha condições de responder em assiduidade, responsabilidade perante os companheiros; que tenha um profundo conhecimento da Doutrina e que seja capaz de amar sem distinção. Tem que ser alguém que pretenda contribuir com a Doutrina Espírita de forma integral, irrestrita. Deveria ser alguém engajado no movimento espírita, que lidere de forma positiva e que seja capaz de estimular os companheiros a uma integração crítica e responsável como cidadão universal que somos.

O coordenador deve fazer uma ponte entre a diretoria e os trabalhadores do Centro Espírita, trazendo aos grupos todas as informações da organização e administração; deve estar em sintonia com os acontecimentos do movimento de unificação, divulgá-los e estimular a participação dos companheiros nos eventos gerais, para isto é imprescindível que ele também participe. Enfim, quem ancora a coordenação de um grupo espírita, traz sobre si a imensa responsabilidade de desenvolver a contento as atividades doutrinárias.

Dos coordenadores depende o bom desempenho dos trabalhos do Centro Espírita e a imagem externa que se faz da própria Doutrina.

(Jornal Verdade e Luz Nº 186 de Julho de 2001)