- A -

Absíntio - Também chamado de "astro intruso".Planeta que cruza a rota do sistema solar a cada 6.666 anos.Tendo sua próxima passagem programada pelos mentores espirituais para o final do século atual.Acarretando,então,grandes desastres naturais, desregramento moral e conseqüente desencarne de um terço da população mundial, sendo dirigidas essas almas para esse astro, em caráter punitivo. O astro possui uma força magnética inferior, 3.200 vezes maior e massa um pouco maior que a da Terra, se tornando assim um gigantesco imã.Acontecimentos estes já previstos por grande números de profetas como, João Evangelista, no livro bíblico "Apocalipse" e Michel de Nostradamus nas suas "Centúrias". (Ver "Tempos chegados")

Acaso [do latim: a= privativo + casu] - 1. Acontecimento imprevisível quanto às causas que o determinam. 2. Para o Espiritismo, o acaso inexiste, em aplicação do axioma de que não há efeito sem causa.

Adorar [do latim adorare] - 1. Render culto a (divindade). 2. Reverenciar, venerar, idolatrar, amar extremosamente. 3. É a elevação do pensamento a Deus, pois que, pela adoração, a alma se aproxima Dele.

Aeróbus [do grego aéreos] - Carro aéreo espiritual para transporte de Espíritos que não podem se locomover.
Conforme André Luiz, seria na Terra um grande funicular, isto é, veículo com tração por cabos acionados por motor estacionário e que freqüentemente se utiliza para vencer grandes diferenças de nível - um tipo de teleférico.

Afetividade [do latim affectivu] - 1. Conjunto de fenômenos psíquicos que se manifestam sob a forma de emoções, sentimentos e paixões, acompanhados sempre da impressão de dor ou de prazer, satisfação ou insatisfação, agrado ou desagrado, alegria ou tristeza. 2. Qualidade de quem é afetivo.

Afeto [do latim affectu] - O elemento básico da afetividade.

Afinidade [do latim affinitate] - 1. Relação de afim. 2. Semelhança, analogia. 3. Lei de Afinidade, conforme ensinamento dos Espíritos: os semelhantes se atraem, os diferentes se repulsam e os positivos predominam sobre os negativos.

Agênere [do grego: a= privativo + géiné, geinomai= engendrar; que não foi engendrado] - 1. Variedade de aparição tangível. 2. Estado de certos Espíritos que podem revestir, temporariamente, as formas de uma pessoa encarnada, ao ponto de produzirem completa ilusão.

Agente [do lat. agente] - Aquele que age, opera, agencia, promove, causa, pratica uma ação.

Agnosticismo [do grego: ágnostos= ignorado + -ismo] - 1. Designa toda a doutrina que rejeita a metafísica, quando ligada ao estudo de objetos radicalmente incognoscíveis. O positivismo e certas formas de evolucionismo são consideradas doutrinas agnósticas. 2. Teoria que ensina a impossibilidade radical de os nossos conceitos poderem exprimir positivamente algo sobre Deus.

Água fluidificada - É a água magnetizada, impregnada de fluidos benfazejos, fortificantes ou terapêuticos.

Akásico [do sânscrito ákasa] - Diz respeito a céu, celeste.

Albergue [do latim medieval gótico haribaírgo] - 1. Hospedaria. 2. Abrigo, refúgio, asilo, local em que se recolhe pessoas por caridade.

Alegria [do latim alacre] - Estado característico da sensibilidade quando passa do prazer ao reconhecimento desse mesmo prazer e à satisfação global daí resultante. Não possui a plenitude ou a permanência da felicidade.

Allan Kardec - codificador da doutrina espírita.Pseudônimo de Hippolyte Léon Denizard Rivail . Nascido à 3 de outubro de 1804.Em Lyon, França. Filho de Jean Baptiste Antoine Rivail, magistrado, juíz e Jeanne Louise Duhamel. Casado com Amélie Gabrielle Boudet.A princípio Allan Kardec foi cético a respeito das questões espíritas.Foi interessado com o fenômeno das "mesas girantes" que resolveu se aprofundar no estudo das questões envolvidas com a espiritualidade.Demorou um ano de árduos estudos para que realmente se concientisasse dessa realidade.E a partir daí, através de seus livros, ele organizou os tópicos da doutrina dos espíritos e lançou luz à várias perguntas da humanidade.Sempre orientado pelos espíritos superiores, entre eles o "Espírito da Verdade". Sua missão se perpetuou após sua morte e seus ensinamentos guiam hoje milhões de pessoas em todo o mundo.
(Leitura básica: "Introdução ao estudo da doutrina espírita" de Allan Kardec, "Obras Póstumas" de Allan Kardec, "Vida e obra de Allan Kardec" de André Moreil , "A missão de Allan Kardec" de Carlos Imbassahy , "Allan Kardec, La naissance du Spiritisme" Jean Vartier, caps.I, II, III e VII e "Allan Kardec" Volumes I, II e III de Zêus Wantuil e Francisco Thiesen)

Alma [latim: anima, do grego: anemos= sopro, emanação, ar] - É o ser imaterial, distinto e individual, unido ao corpo que lhe serve de invólucro temporário, isto é, o Espírito em estado de encarnação, e que somente pertence à espécie humana. Unido ao corpo material pela encarnação, o Espírito constitui o homem; de forma que no homem há três coisas: a alma propriamente dita, ou princípio inteligente; o perispírito, ou envoltório fluídico da alma; o corpo, ou envoltório material.
A alma dos vegetais é dita simplesmente vital. A dos animais é dita instintiva, por ser dotada de inteligência instintiva. A alma do Homem é dita espírita ou moral, por ser dotada de livre arbítrio. Percebe-se que a alma dos animais é ao mesmo tempo vital e instintiva, enquanto a do Homem é algo mais, visto que, neste último, sua propriedade espécie-específica é distinta pelo alto grau de desenvolvimento de que é tomada a inteligência pelo livre arbítrio. Embora o corpo físico do Homem obedeça a padrões clasificatórios que lhe chamariam de pertencente ao Reino Animal, do ponto de vista moral, o Homem é senhor de um próprio reino, o Hominal. (Bezerra de Menezes, "A Loucura sob Novo Prima") .

Altruísmo [do francês altruisme] - 1. Palavra forjada por Augusto Comte para designar o amor ao próximo, no sentido mais geral, isto é, a inclinação natural que nos impele a preferir o interesse geral ao nosso próprio interesse. 2. É a atitude moral que consiste em sacrificar o seu interesse em favor do outro e em especial à comunidade.

Alucinação [do latim alucinatione] - 1. Ato ou efeito de alucinar; devaneio, delírio, ilusão. 2. Experiência sensorial sem base na realidade.

Amnésia [do grego amnesía] - Perda total ou parcial da memória.

Amor [do latim amore] - 1. Sentimento que impele a pessoa para o que se lhe afigure bom, belo, digno ou grandioso. 2. Sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem, ou de alguma coisa. 3. Afeição, grande amizade. 4. Caridade, benevolência.

Amuleto [do latim amuletu] - Objeto normalmente pequeno que se carrega ou guarda, por acreditar tenha o poder mágico de afastar desgraças ou malefícios.

Análise [do grego análysis] - 1. Decomposição de um todo em partes constituintes. 2. Exame de cada parte de um todo, tendo em vista conhecer sua natureza, suas proporções, suas funções, suas relações, etc.. 3. Estudo pormenorizado; exame, crítica.

Anfiteatro [do gr. anphi= metade + theatron= teatro] - 1. Meio teatro, teatro de dois lados. 2. Antigo edifício oval ou circular, com arquibancadas, com uma arena no centro, para espetáculos públicos, jogos e representações, combates de gladiadores ou de feras. 3. Sala normalmente circular ou semicircular, com palco, estrado ou arquibancadas, para representações teatrais, aulas, conferências, palestras, etc..

Angústia [do latim angustia] - 1. Aflição, sofrimento; estado de grande inquietação. 2. Carência, falta, redução, restrição.

Animismo [do latim anima= alma + -ismo] - 1. Teoria segundo a qual a alma é simultaneamente princípio de vida orgânica e psíquica. 2. Para o Espiritismo, é relativo aos fenômeno intelectuais e físicos que deixam supor uma atividade extracorpórea ou a distância do organismo humano, e mais especialmente todos os fenômenos que podem ser explicados por uma ação que o homem vivo exerce além dos limites do corpo, ou seja, o conjunto dos fenômenos psíquicos produzidos com a cooperação consciente ou inconsciente dos médiuns em ação. Se ele tem por causalidade o Espírito desencarnado, o fenômeno denomina-se espiritual ou mediúnico; mas, se o Espírito é o próprio encarnado, chama-se anímico.

Anjo [do latim: angelus; do grego: aggelos= mensageiro] - Segundo a Doutrina Espírita, os anjos não são seres aparte e de uma natureza especial. São os Espíritos da primeira ordem, isto é, os que chegaram ao estado de puros Espíritos depois de terem sofrido todas as provas.
Segundo a idéia vulgar, os anjos são seres intermediários entre o homem e a divindade, por sua natureza e poder, e que podem manifestar-se, quer por avisos ocultos, quer de um modo visível. Eles não foram criados perfeitos, pois a perfeição supõe a infalibilidade e alguns dentre eles se revoltaram contra Deus. Diz-se: os bons e maus anjos, o anjo das trevas. Entretanto a idéia mais geral, ligada a esta palavra, é o da bondade e da suprema virtude.

Anjo guardião - É o Espírito protetor de uma ordem elevada, encarregado de assistir e proteger indivíduos ou coletividades, sendo tudo relativo ao grau de adiantamento das massas como dos indivíduos. Ver: Protetor, Guia.

Ansiedade [do latim anxietate] - Emoção caracterizada por sentimentos de antecipação de perigo, tensão e aflição, por excitação do sistema nervoso simpático.

Antítese [do gr. antíthesis, pelo lat. antithese] - 1. Figura de linguagem pela qual se salienta a oposição entre duas palavras ou idéias. 2. Qualquer oposição flagrante. 3. O ser ou coisa que representa essa oposição; oposto.

Antropomorfismo [do grego anthropómorphos ] - Tendência para conceber as forças naturais ou os seres sobrenaturais, não só como dotados de sentimentos humanos, mas totalmente à semelhança do modelo humano.

Aparição [do latim apparitione] - 1. Aparecimento, presença rápida e breve de pessoa ou coisa. 2. Espectro, fantasma. 3. Visão de um ser fantástico ou sobrenatural. 4. Astr Momento em que um astro começa a se fazer visível ao observador. 5. Origem, princípio.
Fenômeno pelo qual os seres do mundo incorpóreo se manifestam à vista. Aparição vaporosa ou etérea: a que é impalpável e inatingível, e não oferece nenhuma resistência ao toque. Aparição tangível: a que é palpável e apresenta a consistência de um corpo sólido. A aparição difere da visão por ocorrer no estado de vigília, através aos órgãos visuais e enquanto o homem tem a plena consciência de suas relações com o mundo exterior. A visão dá-se no estado de sono ou de êxtase. Ocorre igualmente no estado de vigília, por efeito da segunda-vista. A aparição é registrada pelos olhos dc. corpo; produz-se no próprio lugar em que nos encontramos; a visão tem por objeto coisas ausentes ou distantes, percebidas pela alma em seu estado de emancipação, e quando as faculdades sensitivas estão mais ou menos suspensas.

Apócrifo [do grego apókryphos, do latim apocryphu] - 1. Diz-se de obra ou fato sem autenticidade, ou cuja autenticidade não se provou. 2. Diz-se, entre os católicos, dos escritos de assunto sagrado não incluídos pela Igreja entre as escrituras autênticas e divinamente inspiradas.

Apólogo [do grego apólogos, do latim apologu] - Historieta mais ou menos longa, que ilustra uma lição de sabedoria e cuja moralidade é expressa como conclusão.

Apóstolo [ do grego: apóstolos= enviado; do latim: apostolu ] - 1. Cada um dos doze discípulos de Jesus. 2. Aquele que evangeliza; propagador de qualquer idéia ou doutrina.

Aprendizagem [do latim apprehendere, por síncope] - Mudança de comportamento relativamente duradoura, ocasionada por experiência.

Argumento [do latim argumentu] - Todo raciocínio esboçado ou desenvolvido, que tende a provar ou a refutar uma outra proposição.

Aristocracia [do grego aristokratía] - 1. Espécie de organização político-social monopolizada por uma classe privilegiada, via de regra por herança. 2. Grupo de indivíduos que se distinguem pelo saber e real merecimento; casta, nata. 3. Grupo de pessoas com poder moral, em vista das condições superiores de caráter.

Arte [do latim arte] - 1. Capacidade que tem o homem de pôr em prática uma idéia, valendo-se da faculdade de dominar a matéria. 2. Prática que supõe a criação de sensações ou de estado de espírito, em geral de caráter estético, transferindo impressões e emoções.

Ascese [do grego áskesis] - Exercício prático que leva à efetiva realização da virtude, à plenitude da vida moral.

Asceta [do grego asketes] - Pessoa que se consagra à ascese.

Ascético [do grego asketikós] - 1. Relativo a ascetas ou ao ascetismo. 2. Devoto, místico; contemplativo.

Ascetismo - [do grego áskesis + -ismo] - Doutrina que considera a ascese como o essencial da vida moral.

Atavismo [do latim atavu= quarto avô + -ismo] - 1. Reaparecimento, em um descendente, de um caráter não existente em seus ascendentes imediatos, mas sim em remotos. 2. Hereditariedade.

Ateísmo [do grego: atheos + -ismo] - O Ateísmo é a negação absoluta da divindade. Todo aquele que crê na existência de um ser supremo, quaisquer que sejam os atributos que lhe suponha e o culto que lhe renda, não é ateu. O Ateísmo absoluto tem poucos prosélitos, porque o sentimento da divindade existe no coração do homem independentemente de qualquer ensino. O Ateísmo e o Espiritismo são incompatíveis.

Ateísta [do grego: atheos + -ista] - Aquele que não crê em Deus, o mesmo que Ateu.

Atenção [do latim attentione] - 1. Aplicação cuidadosa da mente a alguma coisa; concentração, reflexão. 2. Ato ou palavra(s) que demonstra(m) consideração, amabilidade, cortesia, urbanidade ou devoção a ou para com alguém. 3. Serve para advertir, recomendar cuidado, impor silêncio, etc..

Ateu [do grego: atheos, composto de a= privativo, e de theos= Deus: sem Deus, que não crê em Deus] - Aquele que pratica o ateísmo e não crê em Deus.Ver: Ateísta.

Atitude [do latim attitudine, do francês attitude] - Termo que designa a maneira de ser e de se comportar de um indivíduo, perante um dado fenômeno ou uma dada circunstância.

Áulico [do grego aulikós, pelo latim aulicu] - 1. Relativo ou pertencente à aula. 2. Próprio de cortesão, palaciano.

Aura [do latim aura] - Emanação fluídica do corpo humano e dos demais corpos. A aura é uma radiação que cobre todo o corpo físico, através dele são evidenciadas as emanações da parte física, mental e emocional.É o espelho que mostra toda nossa situação espiritual.Quando uma pessoa está tomada de raiva, seu aura mostra emanações curtas e avermelhadas.Quando nos tomamos pelo ciúme ele adquire uma coloração roxa.Quando nossos sentimentos são puros, desprovidos de qualquer paixão carnal, ele toma uma coloração azul e se torna amplo com grande faixa de irradiação.Ele é dividido em três zonas distintas.:1)Aura Magnético ( emanações do magnetismo das células do corpo físico); 2)Radiação das Emoções do Períspirito ou Corpo Emocional; 3)Radiações do Corpo Mental. Hoje, com o desenvolvimento das máquinas Kirlian de fotografia do aura, foi conseguida uma prova material aos ainda céticos.

Auréola [do latim aureola] - 1. Círculo brilhante e dourado que rodeia a cabeça de Cristo e dos santos nas imagens sacras. 2. Qualquer círculo luminoso que rodeia um objeto. 3. Brilho ou esplendor moral, prestígio, glória, halo, nimbo.

Autismo [do latim actu + ismo] - Fenômeno patológico caracterizado pelo desligamento da realidade exterior e criação mental de um mundo autônomo.