As Mudanças na Família sob a Óptica Espírita

14º Encontro Sobre “O Livro dos Espíritos”

Palestra Virtual
Promovida pelo Canal #Espiritismo
http://www.irc-espiritismo.org.br
e pelo Centro Espírita Léon Denis
http://www.celd.org.br

Palestrante: Leonor Capeluto & Marina Ohana
Rio de Janeiro
24/02/1998

Organizadores da palestra:

Moderador: “jaja” (nick: |Moderador|)

“Médium digitador”: “Brab” (nick: Marina_e_Leonor)

Oração Inicial:

<conso> Amado Jesus, assista-nos neste dia. Que os bons espíritos nos ajude a nos e o palestrante no tema do dia em teu nome e em nome de Maria e, sobretudo, em nome de Deus. Agradecemos pela oportunidade de aqui estarmos. Que assim seja!

Apresentação do palestrante:

<Marina_e_Leonor> Nos apresentando: Leonor Capeluto, trabalho no Escola Espírita Cristã Maria de Nazaré, no Grupo Rita de Cássia de Estudos Espíritas, no Leblon, Rio de Janeiro. Há 11 anos, há 8 anos participando do trabalho de Encontro Sobre “O Livro dos Espíritos”, no Carnaval e este ano estamos aqui para refletir sobre as mudanças na família. Marina Ohana, também da Escola Espírita Cristã Maria de Nazaré, Grupo Rita de Cássia, trabalho com algumas tarefas na Rocinha e outras no próprio Rita e estamos aqui para comentarmos sobre as mudanças nos valores da família. (t)

Considerações iniciais do palestrante:

<Marina_e_Leonor> Nós, nessa reflexão, não temos qualquer presunção de determinar comportamentos no seio da família, apenas chamar às meditações urgentes. Cada elemento da família terrestre, que sempre, com seu livre arbítrio, poderão e deverão decidir quais os caminhos mais adequados às suas situações e dificuldades. O conhecimento da Doutrina é parte importante para essa reflexão. (t)

Perguntas/Respostas:

<Moderador> [1] <CELD-Luno> Gostaria que falasse um pouco sobre os grandes conflitos existentes entre pais e filhos, muitas das vezes, sem motivos para existirem.

<Marina_e_Leonor> Esses conflitos que, aparentemente não têm motivos atuais, estão ligados a relações não resolvidas anteriormente, isto é, de vidas passadas. A infância é o momento propício justamente para facilitar esses ajustes para os quais vieram juntos nessa programação familiar. Caso a infância não seja trabalhada pelos pais, o conflito na adolescência será agravado, embora, mesmo com muito tratamento durante a infância, podem aparecer conflitos nessa fase, já que é na adolescência que o Espírito retoma todo o seu acervo e sua individualidade. O importante é que os pais tenham a consciência tranqüila dos trabalhos realizados. Com relação ao nosso tema, lembramos que nos diz a Doutrina Espírita ser missão dos pais auxiliar os filhos no seu projeto de vida que é o Progresso. Como referência complementar, ler “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, Capítulo XIV, item 9: "A ingratidão dos filhos e os laços de família" (Instrução de Santo Agostinho).(t)

<Moderador> [2] <conso> No caso de inimigos, irmãos na mesma família, qual seria o melhor procedimento?

<Marina_e_Leonor> Primeiro, a compreensão da situação da família que tem como objetivo principal estabelecer laços de afetividade e solidariedade fraterna. A recomendação é prece diária. Além disso, imediatamente após seu adormecimento, a conversa sincera e aberta no sentido de provocar a aproximação entre eles. (t)

<Moderador> [3] <conso> Um ente querido pode ajudar sua familia depois de desencarnado se tiver condição boa?

<Marina_e_Leonor> Pode. A desencarnação não destrói os laços familiares. (t)

<Moderador> [4] <CELD> O casamento forçado tem as mesmas possibilidades de alcançar resultados satisfatórios que um casamento não forçado?

<Marina_e_Leonor> Depende dos cônjuges. Sua formação moral e religiosa, que determina a vontade de que o empreendimento dê certo. (t)

<Moderador> [5] <Wania> Como relacionarmos progresso com o momento atual da sociedade, onde as famílias se desfazem e se organizam, muitas vezes, com os cônjuges pertencendo ao mesmo grupo?

<Marina_e_Leonor> As maneiras das pessoas se relacionarem hoje em dia mostram que mudanças estão acontecendo. Só relacionaremos que houve progresso nos indivíduos envolvidos se conseguirmos observar benefícios na situação moral dos componentes desse grupo. (t)

<Moderador> [6] <conso> Podemos tomar passe para ajudar os nossos irmãos familiares quando houver uma obsessão?

<Marina_e_Leonor> O passe é individual. Podemos tomar passe para nos fortalecer para lidarmos com a situação, pela energia, pela aquisição de condições íntimas. É importante entender que NÃO EXISTE passe refletido. (t)

<Moderador> [7] <CELD> Para se formar um lar tranqüilo e feliz, basta que os cônjuges se tenham unido por necessidade de amor e companheirismo, pelo anseio de dar-se inteiramente a alguém ou pelo desejo de possuir um lar e filhos?

<Marina_e_Leonor> Isso é muito importante, mas não é condição suficiente, já que é no dia-a-dia da convivência que esses desejos serão testados. (t)

<Moderador> [8] <CELD> O homem só alcançará a felicidade através do casamento?

<Marina_e_Leonor> Absolutamente não. Exemplos inúmeros estão nos mostrando evolução extraordinária sem casamento. Citamos os nossos queridos Divaldo Franco, Chico Xavier. Lembrando que a verdadeira felicidade do ser humano será conseguida através do amor a Deus e ao próximo conforme a Lei Magna deixada por Jesus. O casamento é uma das formas de se treinar esse amor. (t)

<Moderador> [9] <CELD> É correto afirmar que se o lar falhar nos seus deveres para com a criança, muito provavelmente a criança também falhará nos seus deveres para consigo mesma, para com a família e a sociedade, e para com Deus?

<Marina_e_Leonor> Não é correto afirmar, no entanto lembramos que é na família que está a grande oportunidade de reformulação de consciências. (t)

<Moderador> [10] <Wania> Leonor, você poderia nos falar um pouco sobre a poligamia, na visão da Doutrina Espírita?

<Marina_e_Leonor> "A Poligamia é uma lei humana cuja abolição marca um progresso social. O casamento, segundo os objetivos de Deus, deve ser fundado sobre a afeição dos seres que se unem. Com a poligamia, não há afeição real, mas sensualidade" (Questão 701 de “O Livro dos Espíritos”) (t)

<Moderador> [11] <CELD-André> O que pensar nos tipos de famílias dos tempos modernos: homossexuais com filhos adotivos ou de experiências heterossexuais anteriores? Onde está o progresso?

<Marina_e_Leonor> Aonde há exercício da afetividade e da solidariedade fraterna, há progresso. Podemos ler em “O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO”, Cap. XI, item 9: "Disse Jesus: 'Amai o vosso próximo como a vós mesmos'. Ora, qual o limite com relação ao próximo? Será a família? A seita? A nação? Não, é a humanidade inteira". É de foro íntimo de cada um entender se o exercício que está fazendo dentro da relação é de solidariedade, desenvolvimento de laços fraternos, ou se está baseado nas sensações e na busca da sensualidade. (t)

<Moderador> [12] <conso> E no caso de um homossexual na família? Como devemos proceder?

<Marina_e_Leonor> Aceitação com amor. Se tivermos oportunidade, procuremos esclarecer a nossa posição de espíritos imortais e as dificuldades que carregamos em nossa encarnação como resultado de opções equivocadas feitas no passado e que se apresentam no momento com oportunidade de retificação. "A educação, se bem entendida, é a chave do progresso moral. Quando se conhecer a arte de manejar os caracteres como se conhece a de manejar as inteligências, poder-se-a endireitá-los, como se endireita as plantas jovens" (LE, Comentário de Kardec sobre Q. 917) (t)

<Moderador> [13] <CELD-André> Então o casamento entre homossexuais, estaria na Lei de Deus? Esclareça-me.

<Marina_e_Leonor> No planeta em que vivemos, ainda há a necessidade da conjugação sexual para a formação de novos corpos. Segundo os conhecimentos que adquirimos na Doutrina Espírita o casamento entre homossexuais não é um procedimento natural (da Natureza). (t)

<Moderador> [14] <conso> Quando um casamento não tem interesses de comunhão, mas sim materiais?

<Marina_e_Leonor> Arcaremos com as responsabilidades das nossas escolhas, porque foge à finalidade perspícua do casamento. (t)

<Moderador> [15] <CELD-KK> A família para determinadas religiões e sociedades é algo indissolúvel, tempos atrás a manutenção destas famílias era somente para manter aparências de respeito e felicidade. Hoje, observa-se famílias se desfazendo com certa facilidade. O que está correto? A família de "porta retrato" ou esta que se dissolve na primeira "chuva forte"?

<Marina_e_Leonor> Nem uma nem outra. O equilíbrio é fruto do entendimento real da finalidade do casamento. (t)

<Moderador> [16] <Wania> Há pessoas que dizem que os laços de família são apenas resultado de costumes sociais. Como entender a questão das famílias terrenas e espirituais?

<Marina_e_Leonor> A constituição de laços de família é ume necessidade do Espírito. A família terrena é um instrumento para a construção da família espiritual. (t)

<Moderador> [17] <Maratonista> O que nos diz da constituição da família quando se fala de "adoção"? Poderia se considerar que se está desviando a criança adotada de seu "Carma" ao adotá-la?

<Marina_e_Leonor> Nós assumimos a responsabilidade da problemática do ser adotado. Diz-nos Joana de Angelis que os filhos recusados em outras etapas alcançar-nos-ão o lar ou a intimidade por processos transversos. (t)

<Moderador> [18] <conso> E quando as famílias, os casais, principalmente agora, não querem ter filhos?

<Marina_e_Leonor> O casal que hoje opta por uma união sem filhos não atende a todas as finalidades do casamento segundo a Doutrina Espírita. "A reprodução é uma Lei da Natureza sem ela o mundo corporal pereceria" (LE, 686). Segundo um planejamento feito anteriormente (no Plano Espiritual), um casal pode chegar a nunca ter filhos, atendendo a tarefas humanitárias. (t)

<Moderador> [19] <CELD-Margarida> Como o Espiritismo encara a dissolução do casamento?

<Marina_e_Leonor> Joana de Ângelis nos diz: "Não acorrentes a ti aquele que contigo não quer mais caminhar". Jesus, em determinado momento, disse: "Moisés permitiu que desses carta de divórcio pela dureza dos vossos corações." No Livro dos Espíritos, questão 697: "A indissolubilidade do casamento é uma lei humana muito contrária à da Natureza, mas os homens podem modificar suas leis, só as da Natureza são imutáveis". Em “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, Cap. XXII, item 5: "O divórcio é uma lei humana que tem por objeto separar legalmente o que já, de fato, está separado. Não é contrário à lei de Deus, pois que apenas reforma o que os homens hão feito e só é aplicável nos casos em que não se levou em conta a Lei Divina." (t)

<Moderador> [20] <Maratonista/Wania> - duas perguntas interligadas> Fale-nos, por favor, dos problemas que as famílias enfrentam atualmente com a "enxurrada" de adolescentes grávidas que vemos atualmente! Qual a posição da Doutrina Espírita em relação ao planejamento familiar, controle da natalidade?

<Marina_e_Leonor> Emmanuel é a favor do planejamento familiar. A dificuldade em instalá-lo está no desnível ou na falta de condição moral do casal. Quanto às adolescentes grávidas, tão comum nos dias de hoje, é resultado da liberalidade e da falta de limites que, muitas vezes, não foram dados em casa e também como efeito da influência da mídia, falta de diálogo, etc. Como enfrentar? Acolhendo-as, amparando-as e dando a elas a noção da responsabilidade dos seus próprios atos, sem, no entanto, assumir suas tarefas. (t)

<Moderador> [21] <Spyryt> como analisarmos os anticonceptivos e a família?

<Marina_e_Leonor> Segundo Chico Xavier, os anticonceptivos representam a misericórdia divina, impedindo que se cometam crimes maiores, como o aborto. (t)

<Moderador> [22] <Maratonista> Diante de vossa resposta à questão 18: " um casal pode chegar a nunca ter filhos, atendendo a tarefas humanitárias.", poderíamos dizer que um casal que não pode ter filhos agiria de acordo com a Caridade se os adotasse? Seria esse um caminho de atendimento a essas "tarefas humanitárias"?

<Marina_e_Leonor> Certamente sim. Se eles desejam filhos e não os têm é porque certamente estão num processo de reabilitação, que eles podem apressar com a adoção de crianças desvalidas. (t)

Considerações finais do palestrante:

<Marina_e_Leonor> Vivemos uma época de grandes transformações. Segundo Léon Denis "cada século tem uma particular missão na história". E o século XX parece ter um papel mais destacado: deverá assentar as bases do mundo de regeneração. Para isso, entretanto, é preciso que os valores do passado sejam reexaminados e se destrua o que não poderá para contribuir com a nova ordem a ser estabelecida. Muitos acreditam que a família esteja sofrendo, hoje, um processo de extinção. O estudo da família pertence ao âmbito da sociologia, e estudiosos dessa ciência consideram a fase atual como um processo de transformação por que passa esse agrupamento humano, para adequar-se a um novo contexto. Enquanto no passado, a família era vista como agrupamento de pessoas ligadas pelos laços da consangüinidade, o conceito hoje se ampliou, considerando os sociólogos que se podem aceitar como família um casal e seus filhos, um casal sem filhos ou mesmo pessoas que se unem por afinidade. O conceito atual aproxima-se bastante da idéia espírita, já que em “O Evangelho Segundo o Espiritismo” aprendemos que os verdadeiros laços não são os da consangüinidade, mas os laços da afinidade espiritual. Devemos tranqüilizar, pois, os corações, porque a família não está em extinção, o processo é de transformação. (Retirado do livro "Os caminhos do Amor" de Dalva Silva Souza, 2a. edição, FEB) (t)

Oração Final:

<CIEP_PAN> Senhor Jesus, mestre querido, agradecemos em nome de Deus mais essa oportunidade de aprendizado, de debates fraternos para o crescimento de todos. Abençoa, senhor, os espíritos responsáveis por esse trabalho, os espíritos da Casa de Léon Denis e da Casa de Rita de Cássia, assim como os amigos ligados ao Canal #Espiritismo, que eles se sintam fortalecidos no empreendimento que fazem pelo esclarecimento em Teu nome, Senhor. Permanece conosco, Mestre. Que assim seja!