Terra – Um Planeta em Transição

7º Encontro Espírita Sobre Jesus

Palestra Virtual
Promovida pelo Canal #Espiritismo
http://www.irc-espiritismo.org.br
e pelo Centro Espírita Léon Denis
http://www.celd.org.br

Palestrante: Fátima Ventura
Rio de Janeiro
24/09/2000

Organizadores da palestra:

Moderador: “_Stone_” (nick: [Moderador])

“Médium digitador”: “Soutinho” (nick: Fatima_Ventura)

Oração Inicial:

<[Moderador]> Senhor Jesus, mais uma vez nos encontramos, reunidos em teu nome, para mais um momento de aprendizado nesta luta por melhorarmos a cada lição, a cada dia, a cada momento de alegria e dificuldade. Que o Senhor possa nos auxiliar neste momento de estudo e que possamos sair daqui melhores do que aqui chegamos.

Que seja em Teu nome, em nome dos amigos que nos auxiliam nesta tarefa, sobretudo em nome de Deus, o início deste 7º Encontro Espírita Sobre Jesus. Que assim seja!

Considerações Iniciais do Palestrante:

<Fatima_Ventura> Nosso encontro trata da destinação da Terra, e será divido em três temas : no 1º momento, trataremos do conceito sobre a própria Terra; no 2º, da sua destinação; e no 3º, do nosso papel nesse processo de transformação.

No tema 1, a primeira preocupação é com o conceito comum da Terra hoje. A maioria da humanidade considera que o nosso planeta passa por um momento bastante difícil. As guerras, a fome, a violência nos seus vários matizes, a desagregação da família, são aspectos ressaltados para definir o planeta como um mundo difícil, onde as criaturas estão destinadas ao sofrimento.

Na passagem do milênio, também há uma grande ansiedade a respeito do possível fim do mundo. O que a Doutrina Espírita nos diz a respeito de tudo isso?

Sabemos que a Terra é caracterizada como um mundo de provas e expiações, onde os Espíritos têm, ainda, muito o que aprender, erros a corrigir, e testemunhos a vivenciar. Sabemos também que a Terra passa por um momento de transição, onde os espíritos são convocados a definir as suas posições, na busca do bem ou reincidindo no erro.

Um outro aspecto importante é que a Terra realmente pode ser percebida de maneira diferente por espíritos diferentes: Escola, Hospital, Penitenciária. São, na verdade, formas diferentes que o espírito, no seu íntimo, estabelece como característica desta sua encarnação. (t)

Perguntas/Respostas:

<[Moderador]> [01] <CELD> Para ocorrer esta transição será necessária uma grande transformação iniciada por algum grande acidente ambiental onde boa parte da população seria dizimada para que espíritos mais evoluídos povoem a Terra ou a mudança será gradativa? Qual a visão da Doutrina Espírita sobre isso?

<Fatima_Ventura> Esse processo de transição não ocorrerá por meio de um cataclisma, que aniquile de súbito uma geração. Na verdade, o processo será gradual, com o melhoramento dos espíritos, e o afastamento daqueles que não se dispuserem a acompanhar o processo evolutivo.

Em "A Gênese", Kardec nos dá o exemplo de um regimento composto por homens turbulentos e indisciplinados. Esses homens são mais numerosos do que aqueles que se pautam pela ordem. Se esses mesmos homens forem retirados, paulatinamente, e substituídos por igual número de bons soldados, a pouco e pouco o regimento se transformará, pela influência dos bons, podendo inclusive acontecer que aqueles que foram expulsos possam retornar transformados. Assim ocorrerá também com o nosso planeta.(t)

<[Moderador]> [02] <Stone_> Pude ver no material de divulgação deste Evento uma imagem de Jesus olhando a Terra com lágrimas nos olhos. Qual o sentido deste choro? Desânimo? Pesar? Como será que Jesus vê o nosso planeta?

<Fatima_Ventura> Jesus certamente vê o nosso planeta com a certeza de que ele será um mundo melhor. Ele nos disse: "Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a Terra." Também nos disse : "Vós sois deuses. Vois sois o sal da Terra, vós sois a luz do mundo. Sede misericordiosos, como misericordioso é o Nosso Pai que está nos céus."

Com isso, Jesus quis nos garantir que o nosso destino é a perfeição, embora relativa, e que o destino do planeta é se transformar num mundo de paz, de amor e de justiça.

No entanto, sabemos que temos perdido tempo com relação ao nosso progresso moral. Numa passagem de Eurípedes Barsanulfo com Jesus, ele viu o Senhor a chorar. E ao perguntar o motivo daquelas lágrimas, o Senhor lhe respondeu que chorava por todos aqueles que, conhecendo Seus ensinamentos, ainda persistiam no erro. (t)

<[Moderador]> [03] <Stone_> Jesus e os espíritos responsáveis pelo nosso Planeta atuam diretamente em nosso livre-arbítrio para que não aumentemos o caos a nível insuportável? Como fica este "controle"?

<Fatima_Ventura> Jesus é o Governador Espiritual do nosso planeta, comandando aqui tanto os aspectos físicos, de organização planetária, quanto os destinos da humanidade terrestre. Jesus permanece a postos, rearrumando as sociedades, organizando as nações, fazendo o melhor, segundo nos diz o irmão Luiz, numa das mensagens para o Encontro.

No entanto, o espírito tem o livre-arbítrio para decidir as suas atitudes. E, para isso, existe, também, a Lei da Reencarnação, traçando o equilíbrio entre a liberdade individual e a necessidade de arcar com as conseqüências de suas próprias atitudes, e de corrigí-las.

Dessa forma, a liberdade é respeitada, mas Jesus e os Espíritos que nos acompanham a todos, estão a postos para realizar todas as correções necessárias. (t)

<[Moderador]> [04] <Stone_> Problemas como os buracos na camada de ozônio e poluentes danosos ao nosso ambiente não seriam causas para futuras conseqüências destrutivas em nosso planeta? De que forma isso seria monitorado pela equipe espiritual responsável nesta área?

<Fatima_Ventura> O Espírito, num planeta como a Terra, tem de lutar, como nos diz o "Evangelho Segundo o Espiritismo", ao mesmo tempo, com a perversidade dos homens e com a inclemência da natureza, duplo e árduo trabalho, que simultaneamente desenvolve as qualidades do coração e as da inteligência.

Dessa forma, podemos concluir que as agressões do homem contra a natureza planetária estão ligadas a sua inferioridade moral e até mesmo ao desconhecimento das Leis que regem a natureza física do planeta. A medida em que avança a ciência, e o homem se desenvolve moralmente, cresce o movimento ecológico, buscando preservar a Terra que nos abriga.

As primeiras conseqüências maléficas das atitudes agressivas do homem também servem para despertá-lo nesse sentido. Como diz o "Evangelho Segundo o Espiritismo", "No nosso mundo, ainda precisamos do mal para sentir o bem, da noite para admirar a luz, da doença para apreciar a saúde."

Concluímos, assim, que o homem precisará arcar com as conseqüências dos seus erros, mas também caminhará auxiliado pela espiritualidade, no sentido de corrigi-los. (t)

<[Moderador]> [05] <Mei_PB> Com que base alguns afirma ser Jesus governador da Terra? Encontramos isso na codificação?

<Fatima_Ventura> Essa afirmação é trazida pela Doutrina Espírita com base no fato de Jesus ser o modelo mais perfeito que temos para nos guiarmos, segundo o "O Livro dos Espíritos”, mas, também, em todo o trabalho realizado pelo Senhor Jesus, junto aos nossos corações. Desde a antigüidade, o Messias , o Salvador, era aguardado por vários povos, que traziam no seu íntimo a certeza de Sua vinda material. Quando na Terra, os Seus ensinamentos e exemplos foram e são insuperáveis para todos nós.

Os maiores filósofos não superaram e religião alguma conseguiu ensinar mais do que Ele. No livro "A caminho da luz", Emmanuel nos diz: "Ele é a luz do princípio, e nas suas mãos misericordiosas repousam os destinos do mundo. Seu coração magnânimo é a fonte da vida para toda a humanidade terrestre."

Também nos informa que Jesus organizou toda a formação do nosso planeta, desde o seu desprendimento da nebulosa solar. Ele e seus auxiliares organizaram as camadas geológicas, o princípio da vida vegetal, o desenvolvimento da vida animal, o desenvolvimento da própria espécie humana, e organiza todo o desenvolvimento intelectual e moral dos espíritos que à Terra estão ligados. A partir dessas informações, podemos considerar Jesus como nosso Mestre e o nosso Governador.(t)

<[Moderador]> [06] <CELD> A Terra só progredirá quando tivermos governantes espíritas, com noções de vida futura, destinação do planeta, etc., ou não necessariamente?

<Fatima_Ventura> Não necessariamente. Mas, com certeza, o progresso do planeta depende do progresso de cada espírito que a ele está ligado. Dessa forma, as religiões, as filosofias e a ciência, caminharão no sentido de tornar o homem cada vez melhor. Melhor enquanto cidadão, melhor profissional, melhor familiar, melhor amigo, melhor irmão.

Ainda que com várias religiões, o ensinamento do Cristo e o da Doutrina Espírita, que são na essência o mesmo, formarão a base desse novo homem e desse novo mundo. Como disse Léon Denis, o Espiritismo poderá não ser a religião do futuro, mas será o futuro das religiões. (t)

<[Moderador]> [07] <Mei_PB> O planeta está regenerando-se, conforme a Doutrina Espírita. Como conceber isso sabendo-se que a cada dia chega aqui mais espíritos ignorantes? É de se supor que quanto mais ignorância, mais dor, pois se não acabar esta migração como pode parar este círculo?

<Fatima_Ventura> Na verdade, o planeta passa por um processo de transição. Jesus nos disse que o joio e o trigo crescem juntos, mas chega um momento em que é necessário separá-los. Este é o momento que estamos vivendo. Temos caminhado juntos e, apesar de lentamente, o progresso moral tem sido feito. A humanidade terrena, atualmente, é melhor do que a passada.

O crime, a violência, não é mais aceita com a naturalidade de há 2000 anos atrás, quando íamos aos circos romanos, aplaudir a morte dos gladiadores e depois dos cristãos, devorados pelas feras. No entanto, também sabemos que muitos espíritos estão tendo a sua última oportunidade de se manterem ligados ao planeta que se transforma. Isso significa que muitos já estão sendo afastados, paulatinamente, como no exemplo do regimento, citado por Kardec. (t)

<[Moderador]> [08] <Mei_PB> Por ser Jesus modelo e guia, implica em afirmar-se ser ele governador terrestre? "O Livro dos Espíritos" diz ser ele guia e modelo, e não que ele nos guiará. Encontramos em Emmanuel coerência doutrinária exata, não passando ele pelo CUEE (Controle Universal dos Estudos Espíritas)?

<Fatima_Ventura> Não vamos discutir questões de palavras. O próprio Senhor Jesus nos recomendou evitar polêmicas que não tivessem proveito.

Em “O Livro dos Espíritos", os Espíritos nos dizem que as nossas palavras são realmente limitadas, mas o importante é que nos entendamos. Assim, ao lembrarmos de Jesus nos dizendo "Eu sou o caminho, a verdade e a vida.", podemos com certeza concluir que Ele nos guiará, os Seus ensinamentos são o nosso roteiro de elevação. (t)

<[Moderador]> [09] <CELD> A misericórdia do Pai permite que espíritos de planetas mais evoluídos estejam juntos a nós para nos auxiliar a progredir?

<Fatima_Ventura> A misericórdia do Pai, sempre presente junto a todos os seus filhos, permite que as encarnações se façam de acordo com as necessidades do reencarnante e da comunidade em que ela se dará.

Se o próprio Cristo pôde encarnar junto à comunidade terrena, por que um outro Espírito evoluído não poderia fazê-lo? É da própria Lei que aqueles que mais avançaram auxiliem os que ficaram na retaguarda. (t)

Considerações Finais do Palestrante:

<Fatima_Ventura> Fechando esse primeiro tema, podemos dizer que a Terra é, para nós, espíritas, um mundo de provas e expiações, mas é muito importante que possamos vê-la como um grande educandário, onde fomos colocados para cumprir o nosso papel de filhos de Deus e aprendizes do Cristo, aproveitando de todas as lições que a experiência terrena nos trouxer, sejam elas boas ou más, e, lembrando, como nos foi colocado na segunda vibração do encontro pelo Espírito Baltazar, que precisamos aprender que Jesus, para nós, "...não é só um parâmetro, e nem um paradigma, e sim que Ele é realmente uma figura viva a quem devemos dirigir as nossas vibrações nos momentos de dor, de alegria, para aprendermos a arte da suportação. Ele é assim como um sol, que visto de qualquer ponto em que se veja, reluz, clareia e aquece os nossos corações." (t)