Palestra "Reconciliação com os Inimigos"

Ednilsom Montanhole

E.S.E, Cap X, itens 7, 8, 17 e 18.

Primeira palestra, Brasilândia, 20-Abr-91

Anotações de Leitura:

Comentários sobre a Palestra:

Deve-se notar que dado o ambiente em que as pessoas assistentes vivem, fica difícil falar em perdão a ABSOLUTAMENTE TODOS os inimigos. Eles convivem com assaltos, roubos, mortes e muitas outras coisas mais, e não saberiam aceitar estas palavras de modo absoluto como devem ser na realidade.

Assim, deve-se dar ênfase maior aos inimigos indiretos, como colegas de trabalho, vizinhos difíceis, maridos violentos, pais incompreensivos, parentes desonestos.

Também seria interessante fazer notar que todos nós, sem exceção, temos o dever de nos proteger a à nossa família, sendo que, no entanto, isso não nos impede, de forma alguma, a perdoar. Assim, podemos até chamar a polícia por causa de um sujeito, mas não devemos em hipótese alguma odiá-lo, muito pelo contrário, devemos rezar por ele.

Palestra

Meus amigos, hoje eu estou aqui para falar sobre um assunto muito interessante, mas que em geral não nos preocupamos muito com ele, é sobre a Reconciliação com os Inimigos.

O que significa isso ? o que é reconciliação ?

É algo muito difícil, que bem poucos conseguem realmente fazer de coração, mas aqueles que conseguem nada mais temem da vida.

Significa não apenas ir lá, e perdoar aqueles que cometem alguma falta para conosco, mas ajuda-los, compreende-los, e até ama-los.

Significa que não apenas devemos esquecer aquilo que fizeram conosco, mas também manter a amizade que tínhamos antes.

Mas porque isso ? Porque fazer algo assim ? Afinal fulano não nos enganou no trabalho ? e o outro, o vizinho, que vive com o rádio alto ? e o meu marido, que bebe e me bate ? e o meu cunhado, que me pede emprestado e nunca devolve ?

Eu posso até não ir atrás, mas perdoar ? falar com ele de novo ? nunca.

<pausa>

Sim, é assim que pensamos. É assim que eu penso. É assim que quase todo mundo pensa.

Mas vamos pensar um pouquinho mais.

O que nos disse Jesus ? muitas coisas, dentre elas ele disse: "Ama a Deus acima de todas as coisas, e ao próximo com a ti mesmo".

Quem era esse próximo que ele estava falando ?

Seus pais ? Sua esposa, ou marido ? Seus filhos ?

Não, a esses nós já amamos sem que nos digam nada, ele disse daquele próximo que vai passando ali na rua, desse que está ao seu lado no ônibus, enfim, de qualquer um, pois somos todos filhos de Deus, e portanto todos irmãos Nele.

Aí então dizemos: "Olha, eu posso até gostar de algum estranho que cruze o meu caminho, mas não vou falar com esse vizinho chato"

Mas devemos. Devemos mesmo porque é aí que reside o grande mérito. Devemos porque a vida não teria significado se não a vivêssemos para as outras pessoas. Porque é vivendo para elas é que conseguimos encontrar o nosso caminho.

E agora vamos pensar. Deus é absoluto, está a nossa volta o tempo todo, sabe tudo o que fazemos, vê tudo, ouve tudo, não só o que falamos mas também o que pensamos.

E devemos nos lembrar que também não somos perfeitos, que cometemos nossas faltas, e que elas nos pesam no coração. E quando estamos de consciência pesada que fazemos ?

Pedimos perdão ao Pai.

Mas com que direito podemos ir pedir perdão, se não estamos com o coração livre de qualquer rancor ou sentimento impuro?

Vocês perdoariam alguém que lhe pedisse perdão rindo e fazendo gracinhas ?

Não, nem eu. E se nós, que somos imperfeitos não fazemos isso, que diria Deus, que tudo sabe ?

Olha, mas eu não rio quando estou rezando.

Não mesmo ? e o seu coração, onde está ? e os seus pensamentos ? e os seus sentimentos ?

Tudo isso conta, pois Ele tudo vê, assim, se não formos humildes de verdade, de coração puro, ele não nos ouvirá.

Que disse Jesus quando estava na cruz ?

"Pai, perdoa-os"

Jesus nos deu o exemplo maior. Ele mostrou, durante toda a sua vida, como se deveria fazer. E quando ele nos ensinou a sua oração dominical, ele queria que entendêssemos o que ele dizia.

Assim, quando falamos "Perdoa nossas dívidas assim como perdoamos os nossos devedores", devemos não apenas falar, mas sentir, do fundo do coração.

Sim meus amigos, reconciliação com os inimigos implica em perdoar sem ser perdoado, amar sem ser amado, fazer o bem àqueles que nos fazem mal.

Devemos lembrar sempre que não podemos exigir dos outros aquilo que não praticamos, assim se esperamos obter perdão, devemos antes perdoar.

Ora, e se não conseguirmos perdão ?

E se fazemos de tudo pelos outros e nada recebemos em troca?

Então devemos abrir os olhos, pois Deus é justo, e jamais permitiria tal coisa, entretanto nós somos como crianças, que pedem as coisas sem saberem exatamente o que querem, por isso devemos olhar bem, para saber entender e aproveitar as bênçãos recebidas.

Mas que formas de bênçãos existem ?

Como posso eu receber uma bênção e não compreende-la ?

Elas não vem para nós por meio de anjos e trombetas, nem como um raio divino, seria até que bom, facilitaria nossas vidas, mas as trombetas nos ensurdeceriam, e os raios nos queimariam, assim Deus nos dá de modo que possamos assimilar.

Onde elas estão ?

Olhemos à nossa volta. Todos estamos rodeados de bênçãos dos céus, olhe para o Sol, sem o qual não teríamos calor, olhe para as flores, que alegram o dia de qualquer um, olhe para o ar, que nem nos lembramos que existe, mas sem o qual sufocaríamos, olhe para tudo isso, e verá que Deus nos cobre de bênçãos o tempo todo.

Assim, devemos tomar cuidado ao pedir ao Pai, pois ele nos dá bastante. Então vejamos, digamos que vamos ser humildes, e vamos simplesmente pedir perdão por nossos erros, como ficamos ? Merecemos ser perdoados ? Estamos arrependidos ?

O que é o perdão por nada ? que adianta perdoar aquele que nada fez para compensar os males que cometeu ? Perdão por nada é nada, ficamos com o perdão, mas não temos recompensa, pois não se recebe recompensa por nada.

O que devemos pedir então ?

Forças, para não errar mais.

Compreensão, para saber distinguir nossos erros.

Paciência, para poder perdoar sem ressentimentos.

Com isso, continuamos carregando nossas cruzes, mas no final de nossa trilha, encontraremos a Glória Divina.

Nós falamos do Sol que brilha para nós. Mas me diga uma coisa, e aquele sujeito ruim ? o Sol não brilha para ele também ? Ou será que toda pessoa ruim tem uma nuvenzinha negra seguindo ele, o tempo todo ?

Não, o Sol brilha para todos, bons e maus. E o que significa isso ? Que Deus dá mesmo para que os que não merecem ? Não, pois isso novamente seria o mesmo que dizer que Deus é injusto, e ele é perfeito, portanto sua justiça é perfeita. Ele na verdade é acima de tudo Pai, e como tal ama a todos os seus filhos, sem diferença nenhuma, pois sabe que mesmo os mais ruins, os mais malvados, mesmo esses tem dentro do seu coração a sementinha da bondade, porque foi ele próprio que a plantou ali, e sabe que mais dia menos dia essa semente vingará, por isso ele espera, e dá.

Que lição tiramos daqui ?

Que devemos ser indulgentes. O que é isso ? Significa que devemos estar sempre prontos a perdoar. Que quando falamos de outra pessoa, não ficamos destacando o que ela tem de ruim, mas o que tem de bom. Significa que quando alguém faz algo que nos desagrada, nós procuramos ver com bons olhos, e aceitamos naturalmente. Nós devemos olhar apenas de leve para os problemas dos outros, devemos guardar a nossa severidade para nós mesmos, e acima de tudo, não devemos julgar.

Porque ? Ora, se Deus, que é todo perfeição não julga a ninguém, só espera, quem somos nós para julgar alguém ? Que direito nós temos em dizer que fulano ou sicrano merecem ou deixam de merecer o nosso amor e a nossa ajuda ?

Sim, nossa ajuda, porque perdoar sem fazer mais nada tem pouco significado. Não que não tenha seu valor, claro que tem, mas acima de tudo devemos seguir o exemplo de Jesus, e ele o que fez ? Veio até nós, se rebaixou, para nos ajudar, assim devemos estender a todos a nossa mão, e dar sempre o nosso amor.

Onde isso nos leva ?

Ao refúgio, ao pouso após a luta, e novamente, à Glória Divina.

Mas muitos dirão que é perda de tempo ajudar alguém que só quer se aproveitar ! E estão certos, pois o próprio Jesus nos disse: "Não jogueis pérolas aos porcos".

O que quer dizer isso, que as pérolas só podem ser usadas nos colares ? Não, Jesus se importava tanto com colares de pérolas como qualquer um de nós se importa com um brinquedo de criança. As pérolas a que ele se refere são justamente os atos bons, e os porcos são aqueles que não os compreendem. Não devemos negar apoio a quem quer que seja que nos peça ajuda, mas devemos, por obrigação, diferenciar aqueles que estão dispostos a se aproveitar, mas sempre sem julgar.

Mas porque insiste tanto em não julgar ? Como assim ? Você não disse que a gente deveria saber escolher as pessoas certas para ajudar ? Se fazemos isso não estamos julgando ?

Bem, isso depende de como se entende a palavra julgar.

Ela deve ser entendida como uma avaliação, seguida de um veredicto, ou seja, eu digo que fulano é um mau caráter, que ele não merece uma única migalha de pão e que eu acho que ele deveria queimar no fogo do inferno.

Isso é julgar.

É isso o que devemos aprender a evitar. Devemos simplesmente olhar, avaliar se fulano receberia melhor o que temos para dar do que sicrano, afastar de nossos corações nossos preconceitos, medos e rancores e dividir da melhor forma, sem dizer que faço isso porque um é bom e outro mau, sem condenar.

E o que fazer com aquele a quem achamos que não receberia tão bem a nossa ajuda, e que por isso deixamos de ajudar ?

Devemos esquecer dele ?

Fazer de conta que não existe ?

Não, de modo algum, devemos sim é pedir ao Pai por ele, lembrarmos sempre dele em nossas orações, esperar pacientemente, pois um dia ele compreenderá que está errado, como um dia nós compreendemos, e então, nesse dia feliz, devemos abrir os braços para ele, pois ele é o filho pródigo que retorna, é o amigo que volta de viagem, é aquele a quem chamávamos de inimigo, mas que recebemos como irmão, exatamente como gostaríamos que fizessem conosco.