Gramática é só uma questão de certo ou errado?

Os criadores literários — poetas, contistas, romancistas, músicos populares, jornalistas — coletam e utilizam as inovações da linguagem popular ou as inventam. Como são produtores, estão atentos às modificações da língua, que, embora nos pareça sem alterações significativas, no seu vocabulário e na sua gramática, traduz a própria dinâmica do povo que a fala. Se a língua fosse estática, ainda falaríamos Latim, que é a origem do Português. Aliás, a Língua Portuguesa é o resultado da evolução do Latim vulgar. Muitas dessas inovações são aproveitadas pelos escritores em suas obras e acabam se incorporando à língua. Outras são novidades passageiras e servem apenas para ilustrar a preocupação de alguns escritores com a fala de seu povo. Os criadores literários têm essa liberdade de recorrer às novidades lingüísticas. O redator do ensaio não tem a mesma liberdade ou a tem muito raramente.

1. As várias características da língua
Não há por que ter preconceito das pessoas que falam errado ou que usam gírias e outras novidades lingüísticas.

As novidades lingüísticas fazem parte da dinâmica da língua.

Por outro lado, seria irresponsável e superficial exigir que se mudasse a gramática apenas porque uma parcela da população brasileira, em determinada época, está falando um Português modificado. Vendo a questão de um modo mais amplo, sabemos que a Língua Portuguesa é falada em diferentes regiões do país com características próprias, sem contar que outros países, com culturas ainda mais diversas, também a falam. É necessário, portanto, manter uma unidade lingüística que preserve a comunicabilidade.

Manter a unidade lingüística é tarefa de filólogos e lingüistas, que procuram sistematizar a língua no que se chama norma culta.

2. Gramática, uma questão de respeito
A gramática é o resultado do esforço de sistematização da língua. Mas não é um código inquestionável de leis. Ela é um instrumento que ajuda a preservar a norma lingüística e, portanto, o nosso meio de comunicação com o leitor.

Assim entendida, a questão gramatical é essencialmente um respeito ao leitor. Não é responsabilidade apenas dos gramáticos e dos estudiosos em geral. Essa é uma tarefa de todos os que se utilizam da língua.

3. A gramática de cada um
Muitas pessoas não gostam de gramática e, em geral, elas têm razões para isso. Com raras exceções, a gramática não é bem ensinada nas escolas. Mas se desde cedo aprendemos que a língua é algo dinâmico, que faz parte de nossa vida, podemos começar a encará-la de modo diferente. Sem precisar ser especialista, é possível estudá-la ou consultá-la sempre que existir uma determinada dúvida. Assim, sem grandes sofrimentos ou traumas, vamos resolvendo os problemas que aparecem, evitando que possíveis erros atrapalhem nossa comunicação com o leitor.

4. Gramática e ensaio
O texto conceitual transmite a cultura superior. São teses, ensaios, estudos, informes, resenhas, monografias etc. que divulgam as ciências, seus conhecimentos acumulados e suas descobertas. São milhares de novos títulos editados a cada ano em livros, revistas e outras publicações, modificando nossa maneira de pensar e perceber a realidade. Os textos que você produz podem não ter a importância e a amplitude daqueles que são publicados, mas de alguma forma revelam seu acesso a uma cultura mais erudita. Essa é uma das razões que explicam a necessidade de respeitarmos a gramática.

Na verdade, só temos a perder quando cometemos falhas gramaticais, seja em um trabalho escolar ou em um memorando de empresa.

5. A cultura e a língua
O texto conceitual exige o aproveitamento completo da língua e de suas possibilidades de organização. Mas não devemos encarar a gramática como um código fechado que dita o que deve ser feito e o que precisa ser evitado se não queremos incorrer em erro.

Ao contrário, a gramática é instrumento útil que nos ajuda a aproveitar melhor nosso código de comunicação.

Mas o simples domínio das regras gramaticais não é garantia de que somos capazes de escrever um bom ensaio. O domínio da gramática é um dos aspectos de avaliação do texto, que deve ser integrado aos outros: conteúdo, estrutura do texto, estrutura de idéias, linguagem e terminologia.

6. A gramática e a idéia
Muitos dos erros gramaticais cometidos normalmente não podem ser considerados apenas como falhas. Em alguns casos, comprometem em definitivo um texto. Invariavelmente, prejudicam o entendimento da linguagem, principalmente a clareza e a fluência, ou comprometem o conteúdo, tornando o texto ou parte dele incompreensível.

Uma pontuação errada, principalmente se estiver na conclusão, pode afetar a estrutura de idéias, a linguagem, o conteúdo e até a estrutura, se estiver na conclusão. As falhas de pontuação do texto podem induzir a erros de lógica e por isso são inadmissíveis.

Mas não é só no caso da pontuação que devemos evitar os erros a todo custo. Na verdade, devemos evitar sempre os erros gramaticais. Eles tiram a força de um texto.

7. Como aprender gramática
A maioria das pessoas que chega à universidade costuma ter problemas com a gramática — sabem um pouco, sabem mais ou menos ou têm algumas dúvidas. Poucas dominam as regras. Uma das razões para isso é a de que a gramática nem sempre é ensinada no momento adequado e as crianças acabam tendo uma experiência negativa com seu estudo. Além das limitações naturais das crianças, o problema muitas vezes é agravado pela inabilidade dos professores — geralmente presos a um currículo rígido. O fato é que a maioria das pessoas ainda guarda a impressão de que gramática é uma porção de regras chatas que precisam ser decoradas. Mas não é nada disso.

Há lógica nas normas gramaticais e uma coerência fascinante, que é, aliás, a própria beleza da língua.

7a. O medo do erro
Muita gente não gosta de ser corrigida, fica constrangida. Em geral, esse sentimento acaba provocando uma aversão por escrever. Mas redigir não pode ser causa de sofrimento, principalmente em função da correção gramatical. Errar faz parte de qualquer atividade criativa, mas é preciso trabalhar — prestar atenção no que se lê e no que se escreve, procurar tirar as dúvidas, quando elas aparecem, ou estudar a gramática para valer — se quiser evitar erros recorrentes.

8. Um modo prático de aprender
Tenha sempre ao seu alcance uma gramática. Quando tiver dúvidas, olhe o índice e faça sua consulta. Às vezes, um bom dicionário é o suficiente. Aos poucos, as normas gramaticais vão se incorporando à sua prática. Ainda que você não memorize todas as regras, o princípio da correção vai se fixando naturalmente.

Para lembrar:

Em caso de dúvida entre "chutar" a grafia de uma palavra ou uma determinada acentuação, não hesite, consulte a gramática.

Pesquisando os índices de erros e acertos nos "chutes" feitos por seus alunos, alguns professores de cursinho concluíram que as taxas de erros variavam entre 70% e 90%. Ou seja, a tendência é "chutar" errado. Mais uma razão para reforçar a idéia de que consultar a gramática deve ser um hábito para quem escreve.

8a. Empatia com a gramática
Há livros de gramática para todos os gostos. Algumas gramáticas são completas, minuciosas, aprofundadas. Outras são simplificadas, trazem os assuntos "mastigados" e resumem-se ao essencial. Escolha a que achar mais adequada ao seu interesse ou a que tenha uma linguagem com a qual você se identifique.

8b. Domínio da língua
Você já sabe o essencial da gramática, na medida em que domina a língua que fala e escreve. Se deseja aperfeiçoar esse domínio, deve prestar atenção aos seus pontos fracos, procurando contorná-los. É importante evitar falhas que tirem o brilho de sua expressão e diminuam o impacto que o leitor pode ter com seu texto.

Uma pessoa que redige bem tem mais clareza de suas idéias e mais segurança em suas afirmações. As falhas gramaticais podem ser um entrave para isso.

Glossário

Filólogo: especialista em Filologia, que é o estudo da língua em toda a sua amplitude e dos documentos escritos que servem para documentá-la.
Lingüista: pessoa versada em Lingüística ou no estudo das línguas.
Monografia: dissertação ou estudo minucioso que se propõe a esgotar determinado tema relativamente restrito.
Resenha: descrição pormenorizada, relato minucioso.

Copyright Klick Net S.A. Todos os direitos reservados.